Protestos no Líbano em 2019

Protestos no Líbano em 2019
2019 Lebanese protests - Beirut 5.jpg
Período 18 de outubro de 2019 – presente
Local Líbano
Causas
70 presos

Protestos no Líbano em 2019 são uma série contínua de protestos civis no Líbano, inicialmente desencadeados por impostos planejados sobre gasolina, tabaco e telefonemas online, como através do WhatsApp, [1][2][3] mas expandiram-se rapidamente por todo o país para uma rejeição ao regime sectário,[4] a economia estagnada, ao desemprego, a corrupção endêmica no setor público,[4] a legislação (como o sigilo bancário) que é percebida como uma forma de salvaguardar a classe dominante da prestação de contas [5][6] e as falhas do governo em fornecer serviços básicos como eletricidade, água e saneamento. [7] Os protestos eclodiram inicialmente em 17 de outubro de 2019. [8][9][10]

Como resultado dos protestos, o Líbano entrou em crise política, com o primeiro-ministro Saad Hariri apresentando sua demissão e ecoando as demandas dos manifestantes por um governo de especialistas independentes. [11] Outros políticos visados pelos protestos permaneceram no poder. Em 19 de dezembro de 2019, o ex-ministro da Educação Hassan Diab foi designado como o próximo primeiro-ministro e foi encarregado de formar um novo gabinete. [12] Protestos e atos de desobediência civil continuaram desde então, com manifestantes denunciando e condenando a designação de Diab como primeiro-ministro. [13][14][15]

Contexto[editar | editar código-fonte]

A eclosão dos protestos foi atribuída às crises acumuladas nas últimas semanas no Líbano: desde a crise do dólar[16] passando pelas greves em postos de gasolina,[17] aos incêndios florestais evitáveis que estavam ocorrendo em todo o Líbano devido à má gestão (haja vista a falha do governo em combater as queimadas devido à falta de manutenção dos helicópteros contra incêndios),[18][19] aos impostos sobre a gasolina,[20] trigo[21] e telefonemas online.[22][23]


Os protestos iniciaram em pequenos números em torno de Beirute no final de setembro.[24][25] Em 1 de outubro, o Banco Central do Líbano anunciou uma estratégia econômica que prometia fornecer dólares a todas as empresas no setor de importação de trigo, gasolina e produtos farmacêuticos, para que pudessem continuar suas importações. Essa foi considerada uma solução de curto prazo pelos analistas econômicos. [26]

Em uma sessão do gabinete realizada em 17 de outubro, com 36 itens a serem discutidos na agenda, o governo propôs estratégias para aumentar o orçamento estatal para 2020. Os itens da agenda incluíram o aumento do Imposto sobre Valor Agregado (IVA) em 2% até 2021 e 2% adicionais até 2022, atingindo um total de 15%. Além disso, os meios de comunicação informaram sobre planos para uma cobrança de US $ 0,2 para as chamadas VoIP (Voice over Internet Protocol), como as feitas no FaceTime, Facebook e WhatsApp.[27] A sessão final do projeto de orçamento seria realizada no dia 18 de outubro, mas foi cancelada, mediante acordo do Primeiro Ministro Saad Hariri e do Presidente Michel Aoun.[28][29]

Protestos[editar | editar código-fonte]

Protestos em Antelias, tarde da noite de 17 de outubro

Na noite de quinta-feira, 17 de outubro, cerca de cem ativistas civis protestaram contra os novos impostos propostos no interior e nos arredores da cidade, bloqueando ruas muito importantes que ligam o oeste e o leste de Beirute. O ministro do ensino superior, Akram Chehayeb, e seu comboio estavam passando pela área. Manifestantes assaltaram o carro do ministro, um de seus guarda-costas disparou balas perdidas no ar, o que enfureceu ainda mais os manifestantes, embora não tenham sido relatados feridos.[30] Vale ressaltar que o ministro é membro do Partido Socialista Progressista (PSP) do Líbano e, portanto, o chefe do partido twittou que "falou com o ministro e pediu para entregar os guarda-costas do comboio à polícia", como todos nós estamos "sob a lei".[31][32]

Um número maior de manifestantes começou a aparecer na Praça dos Mártires, na Praça Nejmeh, na Rua Hamra e em muitas outras regiões do Líbano. Uma reunião rápida do Gabinete foi agendada pelo Primeiro Ministro Saad Hariri, a pedido do Presidente Michel Aoun, para o meio-dia do dia seguinte, 18 de outubro, à medida que os protestos se tornavam maiores e mais intensos.[33] Um anúncio foi feito pelo Ministro do Ensino Superior Akram Chehayeb de que todas as escolas e universidades, públicas ou privadas, permanecerão fechadas em 18 de outubro.[34] O ministro das Telecomunicações do Líbano, Mohamad Choucair, descartou a ideia do "imposto pelo WhatsApp" por volta das 23h da quinta-feira, 17 de outubro.

Eventos dos protestos em 18 de outubro[editar | editar código-fonte]

  • Protestos em Antelias, tarde da noite de 17 de outubro
    1h29 - Os escritórios e as casas dos partidos do Hezbollah e do Movimento Amal são alvo de manifestantes e em Nabatiyeh.[35][36]
  • 2:07 - Greve no setor público anunciada pela Liga de funcionários do setor público "para protestar contra todas as reformas propostas".[37]
  • 2h24 - Escritórios do Partido do Movimento Patriótico Livre visados em Trípoli.[38]
  • 03:16 - Gás lacrimogêneo lançado aos manifestantes pelas Forças de Segurança Interna para mantê-los fora do Serail, que inclui o prédio do Parlamento no Líbano.[39]
  • 7h52 - As principais estradas do país estão agora bloqueadas com pneus em chamas, latas de lixo caídas e manifestantes.[40][41]
  • 10h55 - Ministros das Forças Libanesas anunciaram que não participarão da reunião planejada do Gabinete na tarde de 18 de outubro.[42]
  • 11h45 - Samir Geagea, chefe das Forças Libanesas, pede a renúncia do primeiro-ministro Saad Hariri.[43]
  • 11h45 - 18 de outubro, sessão do gabinete da tarde oficialmente cancelada, o primeiro-ministro Saad Hariri deve se dirigir ao país às 18h.[44]
  • 13:54 - O líder progressista do Partido Socialista Walid Jumblatt pede um "movimento pacífico" contra o mandato do presidente Michel Aoun[45]
  • 14h16 - Pierre Issa, do National Bloc, pede um governo reduzido de salvação nacional.[46]
  • 17:59 - A embaixada dos EUA em Beirute emite um aviso de "abster-se".[47]
  • 18:45 - O primeiro-ministro Saad Hariri se dirigiu ao país, concedeu 72 "parceiros no governo" para começar a trabalhar em uma solução, caso contrário, ele está disposto a adotar uma "abordagem diferente".[48][49]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Fotografias dos protestos em Beirute, em 18 de outubro de 2019.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Lebanese govt to charge USD 0.20 a day for WhatsApp calls». The Daily Star. 17 de outubro de 2019 
  2. «Protests erupt in Lebanon over plans to impose new taxes». aljazeera.com. 18 de outubro de 2019 
  3. «Lebanon: WhatsApp tax sparks mass protests». DW (em inglês). Deutsche Welle. 10 de outubro de 2019 
  4. a b «Lebanon Protesters Found Strength in Unity, Ditched Sectarianism». Report Syndication. 27 de outubro de 2019 
  5. «Protesters march from Al Nour Square to Central Bank in Tripoli». MTV Lebanon (em inglês). 22 de outubro de 2019 
  6. «Protesters block Karakoul Druze-Mar Elias road». MTV Lebanon (em inglês). 22 de outubro de 2019 
  7. Khraiche, Dana (17 de outubro de 2019). «Nationwide Protests Erupt in Lebanon as Economic Crisis Deepens». Bloomberg News 
  8. Fadi Tawil (17 de outubro de 2019). «Protests spread across Lebanon over proposed new taxes». Washington Post (em inglês). AP 
  9. «Protests erupt over taxes as govt races to wrap up budget». The Daily Star. 18 de outubro de 2019 
  10. «Lebanon scraps WhatsApp tax as protests rage» (em inglês). 18 de outubro de 2019 
  11. The961, News (1 de novembro de 2019). «Lebanese Protesters Addressed President Aoun with an Urgent Demand/». the961.com (em inglês) 
  12. «Lebanon protests: University professor Hassan Diab nominated to be PM». BBC 
  13. «Lebanese president asks Hassan Diab to form government». Al Jazeera. 19 de dezembro de 2019 
  14. «Roadblocks across Lebanon as anger rises over Diab pick as PM». Al Jazeera. 20 de dezembro de 2019 
  15. «Day 76: New Year's Revolution». The Daily Star. 31 de dezembro de 2019 
  16. «A long-feared currency crisis has begun to bite in Lebanon». The Economist. ISSN 0013-0613 
  17. «Lebanon gas stations to go on strike over dollar 'shortage'». France 24 (em inglês) 
  18. Lebanon wildfires: Hellish scenes in mountains south of Beirut. Publicado em 16 de outubro de 2019.
  19. Lebanon's wildfires call for an appropriate disaster risk management plan. Publicado em 15 de outubro de 2019.
  20. «Protests spread across Lebanon over proposed new taxes». France 24 (em inglês) 
  21. «Lebanese millers say wheat reserves fall due to ongoing 'dollar problem' | Business, Local | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  22. «Protests sweep Lebanon for a second day». 7NEWS.com.au (em inglês) 
  23. Haugbolle, Sune. «Lebanon Is Facing an Economic and Environmental Disaster». Foreign Policy (em inglês) 
  24. «Lebanon: Protests over worsening economic crisis». www.aljazeera.com 
  25. «Watch: Protests in Lebanon's capital over worsening economic crisis». gulfnews.com (em inglês) 
  26. Kranz, Michal. «Protesters rise up as Lebanon's leaders grapple with multiple economic crises». Al-Monitor (em inglês) 
  27. «Cabinet meets as backlash grows over tax proposals | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  28. «Lebanon cabinet sets 'final session' on Friday for 2020 draft budget: minister». Reuters (em inglês) 
  29. «Hariri Contacts Aoun, Both Men Agree to Cancel Today's Cabinet Session – Al-Manar TV Lebanon». www.english.almanar.com.lb 
  30. «WhatsApp tax the final straw as massive protests erupt - Georgi Azar». An-Nahar 
  31. Joumblatt, Walid. «انني طلبت من الرفيق اكرم شهيب تسليم الذين اطلقوا النار في الهواء ونحن تحت القانون لكن نطلب تحقيق شفاف ونرفض الاعتداء على ايا كان .pic.twitter.com/LUo2mCghCI». @walidjoumblatt (em árabe) 
  32. CNN, Tamara Qiblawi. «WhatsApp tax sparks night of austerity protests across Lebanon». CNN 
  33. «President Aoun called PM Hariri and agreed to hold a Cabinet meeting tomorrow at Baabda Palace». MTV Lebanon (em inglês) 
  34. «Education Minister Akram Chehayeb issues statement to close public and private schools and universities tomorrow (Friday) because of the current situation in the country». MTV Lebanon (em inglês) 
  35. «Des manifestants s'en prennent aux domiciles et bureaux de responsables Amal et Hezbollah à Nabatiyé». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  36. «Some protesters riot in central Beirut, hurl stones at riot police, shatter shops' windows | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  37. «Liban : "grève générale" vendredi de "toutes les administrations publiques"». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  38. «Liban : le bureau du CPL à Tripoli saccagé». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  39. «Police fire tear gas at rioting protesters near govt seat in central Beirut | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  40. «Protestations : de nombreuses routes coupées à travers le Liban». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  41. «Lebanon paralyzed after second day of protests | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  42. «Lebanese Forces will not participate in today's Cabinet session: minister | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  43. «Geagea appelle Hariri à démissionner». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  44. «Hariri to address the nation at 6 p.m. | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  45. «Joumblatt appelle à un "mouvement pacifique contre le mandat" Aoun». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  46. ANTONIOS, Zeina. «Pierre Issa à L'OLJ : Si le cabinet démissionne, il faudra former un gouvernement réduit de salut public - Zeina ANTONIOS». L'Orient-Le Jour (em francês) 
  47. «U.S. Embassy in Beirut urges all sides to refrain from violence and any actions that would threaten public safety | News, Lebanon News | THE DAILY STAR». www.dailystar.com.lb 
  48. «Hariri: We can no longer wait for our 'partners in the government' to start working on the solution, so either they show in the coming 72 hours that they are serious about reforms or I will take a different approach». MTV Lebanon (em inglês) 
  49. «Hariri: 'Partners in the government' have 72 hours to give me their answer». MTV Lebanon (em inglês)