Protestos no Chile em 2019-2020

Protestos no Chile 2019
Parte da(o) Protestos na América Latina de 2019
Protestas en Chile 20191022 07.jpg
Protestos na praça Baquedano, em Santiago
Período 14 de outubro de 2019 – 18 de março de 2020

ou 18 de outubro de 2019 – 18 de março de 2020 (Segundo a fonte. Interrompidos por pandemia de COVID-19)

Local  Chile
Resultado
Causas
Objetivos
Participantes do conflito
Flag of Chile.svg Governo Chileno Flag of Chile.svg Manifestantes
Líderes
Flag of the President of Chile.svg Sebastián Piñera Sem liderança
35 mortos
3 580+ feridos[17]
9 580+ detidos[18]

Protestos no Chile em 2019 (também chamados de «Santiagaço» [apenas no início], «18/10», «18/O», «Crise no Chile em 2019», «Explosão social no Chile em 2019», «O Chile despertou», «Primavera do Chile», «Revoltas no Chile em 2019», «Revolução dos trinta pesos» e «Surto social»)[19][20][21][22] são uma série de protestos civis, atualmente em pausa, em várias cidades do Chile. Os protestos começaram na capital —Santiago— como uma campanha coordenada de estudantes do ensino médio para evitar pagar o metrô de Santiago em resposta a recentes aumentos de preços, levando a confrontos abertos com a polícia nacional (Carabineros). Em 18 de outubro, a situação piorou quando grupos organizados de manifestantes se rebelaram em toda a cidade, confiscando muitos terminais da rede do metrô de Santiago (parte da Red) e desativando-os com extensos danos à infraestrutura. A rede Metro foi totalmente desativada.

Em 18 de outubro, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou um estado de emergência, autorizando o envio de forças do Exército chileno nas principais regiões para fazer cumprir a ordem e reprimir a destruição de bens públicos, e invocou perante os tribunais a Ley de Seguridad del Estado ("Lei de Segurança do Estado") contra dezenas de detidos. Um toque de recolher foi declarado em 19 de outubro na área da Grande Santiago,[23] pela primeira vez desde 1987, no final da ditadura de Pinochet.[24]

Protestos e distúrbios se expandiram para outras cidades, incluindo Concepción, San Antonio e Valparaíso.[25] O estado de emergência foi estendido à província de Concepción, toda a região de Valparaíso (exceto a Ilha de Páscoa e o arquipélago Juan Fernández) e as cidades de Antofagasta, a Grande La Serena (Coquimbo e La Serena), Rancagua, Valdivia e Iquique.

A situação se estendeu algumas horas depois para cinco outras regiões do país e, no dia 23, o estado de emergência havia sido declarado em quinze das dezesseis capitais regionais.[26]

De acordo com vários analistas, os protestos têm sido caracterizados pela ausência de líderes e pela incorporação, em diferentes níveis, de um espectro social amplo, da classe baixa para a média alta.[27] Embora a causa imediata possa ser atribuída ao aumento da taxa de transporte público, as concentrações populares logo expuseram suas causas mediadas: o alto custo de vida (até 2019 Santiago do Chile é a segunda cidade mais cara da América Latina),[28] pensões baixas, altos preços de medicamentos e tratamentos de saúde, e uma rejeição geral de toda a classe política e o descrédito institucional acumulado ao longo dos anos, incluindo a própria Constituição desse país.[10][27]

Tanto por causa do nível de danos à infraestrutura pública e o número de manifestantes quanto por causa das medidas adotadas pelo governo, os protestos foram classificados como a «pior agitação civil» ocorrida no Chile desde o final da ditadura de Pinochet.[29] Até agora, 35 falecidos têm sido confirmados, associados principalmente a incêndios, confrontos entre cidadãos ou com uniformizados. Além disso, há mais de 3400 civis hospitalizados como produto dos confrontos,[18] e 2000 policiais machucados em diferentes graus.[30][31] O Instituto Nacional de Derechos Humanos tem identificado mais de 3400 civis hospitalizados durante o movimento, enquanto que tem se cifrado em 8812 os detidos que tem conseguido visitar;[18] ademais, tem relatado casos de torturas e outras humilhações em nome das Forças Armadas e da Ordem.[32] Pesquisas realizadas por organizações como a Anistia Internacional, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o Human Rights Watch e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos determinaram a ocorrência de violações graves de direitos humanos cometidos por funcionários do Estado chileno.[33][34][35] O governo, em tanto, reconheceu a existência de alguns casos pontuais de excesso policial, porém descartou a ocorrência sistemática destes.[36][37]

As perdas econômicas desses protestos são estimadas em USD$ 3.300 milhões, considerando danos à propriedade pública e privada[38].[39][40][41], enquanto 100 mil a 300 mil empregos teriam sido perdidos. O peso chileno sofreu uma forte desvalorização, passando de CLP$ 710 anterior à crise, para um recorde máximo de CLP$ 838,33 por dólar, a meados de novembro de 2019.[42][43][44] Também estima-se que os protestos vão subtrair um ponto percentual de crescimento econômico para o país entre 2019 e 2020.[45]

Em resposta às manifestações, o governo de Sebastián Piñera anunciou uma série de medidas (Projetos de lei e reformas relacionados com os protestos no Chile em 2019-2020) denotadas «Nova Agenda Social», que inclui medidas relacionadas a pensões de aposentadoria, saúde, salários e administração pública.[46] Da mesma forma, promoveu uma agenda de segurança, que inclui projetos de anti-vandalismo e de reconstrução. Em 15 de novembro, um acordo transversal entre o Governo e o Congresso, e assinado pela maioria dos partidos políticos com representação parlamentar, concordou em convocar um Plebiscito Nacional em abril de 2020 para definir se uma nova Constituição política será redigida, e que mecanismo será utilizado.[47]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Causas estruturais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Desigualdade no Chile

Desigualdade no Chile refere-se à desigualdade econômica e social existente no Chile, que, em 2015, obteve o quarto maior índice de pobreza relativa a rendas entre os 35 países da OCDE, depois do Israel, os Estados Unidos e a Turquia.[48] É importante enfatizar que, não obstante ao anterior, alguns índices deixam o Chile relativamente bem posicionado dentro da América Latina.[49]

Apesar do crescimento econômico mantido do Produto interno bruto do país —que foi de um 5 % real anual de média a partir de o Chile retornar à democracia (ou seja, entre 1990 e 2015)—[50] e de ser uma das economias mais fortalecidas da América Latina, o Chile obteve o maior Coeficiente de Gini em 2015 entre os 35 países da OCDE, seguido pelo México, os Estados Unidos e a Turquia, o que o torna o país com a mais desigual distribuição de rendas dos países da OCDE, de acordo com este indicador.[51]

Banner simulando uma placa de sinalização de rota de ônibus da Red, mencionando fatos que geralmente são indicados como a causa dos protestos: ° Greve 2019; ° Abuso executivo; ° Grande desigualdade; ° Sim ao Escazú - Não à TPP; ° Violência policial; ° [ Poluição industrial em] Quintero e Puchuncaví; ° Caloteiros livres; ° Cidade repressiva

Estado subsidiário[editar | editar código-fonte]

Uma vez promulgada a Constituição de 1980, o papel do Estado quanto à segurança e direitos sociais é alterado de Estado Social de Direito (contido na Constituição do Chile de 1925) para uma conceição particular disso, conhecida como «princípio da subsidiariedade». Com a visão neoliberal, o Estado só pode dar previdência social quando a iniciativa privada não puder fazê-lo, ou não tiver interesse, ainda mais se a iniciativa privada se sentir discriminada por uma ação estatal, o Estado deve compensá-la e indenizá-la. Isto leva a que os direitos sociais —que são entendidos mundialmente como universais— como saúde, educação e sistema de aposentadoria (além de outros serviços, como o sistema de telecomunicações, acesso a água potável, eletricidade, etc.) sejam fornecidos por áreas privadas em uma estrutura de mercado, sob as regras do mesmo, apenas fornecendo o Estado estes direitos se o mercado não puder ou não quiser oferecer, gerando acesso desigual entre os cidadãos de acordo com quem pode pagar.[52]

Dois exemplos clássicos sobre como a Constituição política de 1980 tem impedido direitos sociais e evolução de costumes, foi quando, em 2008, o Tribunal Constitucional do Chile impediu a entrega da Pílula do dia seguinte[53] ou quando, em 2015, impediu a Gratuidade no Ensino Superior. [54]

O princípio da subsidiariedade virou em obstáculo à implementação de políticas assistenciais ou de serviço público mais agressivas pelos governos subsequentes à Ditadura militar chilena. O plano AUGE, por exemplo, foi originalmente questionado por ser inconstitucional.[55] Da mesma forma, a importância atribuída à família foi usada como argumento que impedisse a adaptação das leis à evolução dos costumes sexuais e de filiação. Enfim, mesmo um conceito aparentemente tão inócuo quanto de bem comum pode ser objeto de leituras restritivas, que vinculem o futuro da sociedade chilena a um modelo imutável específico, e impedem sua evolução de acordo com a apreciação mais ou menos variável do interesse geral, que os representantes da Nação fizerem com o decorrer do tempo.[56]

A isto se somam dois fatores que mantêm uma tensão séria desde o retorno à democracia, impedindo mudanças no modelo socioeconômico. Por um lado, a definição de um sistema eleitoral binominal até 2017 que não garantia, de maneira absolutamente fiel, a representação de todas as coletividades políticas, e que forçou a formar grandes blocos políticos, onde as coletividades mais marginais têm dificuldade em se fazer ouvir. Nesse contexto, a Constituição parece ter sido feita para reger o país de uma vez por todas, sem a possibilidade de evolução.

Por outro lado, e além do acima exposto, a Constituição, em várias de suas disposições, exige maiorias parlamentares para reformar certos aspectos institucionais que são decisivos para a crise. Por exemplo, é mister que haja maioria dos 4/7 dos parlamentares em exercício para reformar os partidos políticos, a liberdade acadêmica, as bases da administração, o Congresso Nacional, o Tribunal Constitucional, as Forças Armadas, etc., ou uma Ley de Quórum Calificado ("Lei do Quórum Qualificado") para reformar a Capitalização individual no sistema de aposentadorias. Diante do exposto, tem sido extremamente difícil para a maioria democrática reformar tais instituições, cujo regime jurídico, em essência, foi definido durante a ditadura militar, exigindo maiorias ainda mais altas que 2/3 para ajustar o conceito de "subsidiário" para o Estado.[56]

Desigualdade socioeconômica[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados do Banco Mundial, o Chile é o 13º país mais desigual da América Latina, medido pelo Coeficiente de Gini[57]; e o segundo mais desigual após o México entre os membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.[58] Apesar de ser uma das economias mais prósperas do continente americano,[59] as políticas neoliberais estabelecidas durante a Ditadura militar —e mantidas por três décadas desde o retorno à democracia— só conseguiram esforços muito modestos para mitigar a disparidade histórica de renda, que não tem sofrido grandes mudanças a partir de meados do século XIX.[60] Segundo o relatório "Panorama social da América Latina" da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), o 1% mais rico representa 7,5% da renda medidas por pesquisas, e 26,5% da riqueza líquida (ativos menos passivos).[61] O acima exposto foi invocado como uma das principais motivações dos manifestantes.[62][63]

Essa desigualdade de renda implica desigualdade social. Isso se manifesta, por exemplo, em importantes diferenças educacionais entre os diferentes estratos socioeconômicos. De fato, jovens dos estratos mais pobres obtêm resultados acadêmicos muito piores do que os dos estratos mais altos.[64][65] Da mesma forma, há uma segregação residencial significativa, devido a políticas que incentivaram a construção de habitações sociais na periferia de centros urbanos, onde os serviços públicos básicos eram geralmente escassos, gerando então, novas barreiras à inclusão social e à superação da vulnerabilidade social das famílias de baixa renda.[66] Isto, além disso, significa que em grandes cidades, como Santiago do Chile, os estratos pobres vivem afastados dos locais onde eles trabalham, o que significa investir muito tempo para viajar de transporte público, especialmente em horário de pico.[67][68]

Alto custo de vida[editar | editar código-fonte]

O custo de vida no Chile é, além do mais, alto. A proporção entre o PIB corrigido por Paridade do poder de compra e o PIB nominal é de 1 709, tornando o país o 61° mais caro do mundo, o segundo mais caro da América do Sul após o Uruguai, e o 13° mais caro da América Latina e o Caribe.[69] Embora haja educação gratuita nos níveis primário e secundário, os resultados são muito mais baixos aos exibidos pelo sistema de ensino privado pago.[70] Os níveis de satisfação na saúde privada são, do mesmo jeito, geralmente muito mais altos do que na saúde pública.[71] O acima exposto, somado à abertura do acesso ao crédito e seu uso para satisfazer necessidades básicas,[72] explica o alto endividamento das famílias chilenas. De acordo com o Banco Central do Chile, em 2018 foi atingido um máximo histórico de dívida equivalente a 73 % da renda disponível.[73] Um estudo de 2019 revelou que no Chile existem quase 4,6 milhões de pessoas inadimplentes, equivalente a 34 % da população maior de 18 anos.[74]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Taxa, corrigida pela inflação, do transporte público em Santiago, entre 31 de janeiro de 2012 e 6 de outubro de 2019, antes da revogação do último aumento

O preço do transporte público na Grande Santiago é determinado pelo Painel de Peritos em Transporte Público (em castelhano: Panel de Expertos del Transporte Público), que usa uma fórmula de cálculo automático para ajustar as tarifas mensalmente. O Ministério dos Transportes e Telecomunicações é aconselhado pelo painel e deve ser notificado sobre quaisquer alterações de preço.[75]

Em 1 de outubro de 2019, o Painel determinou o ajuste trimestral de tarifas para o sistema de transporte público da Província de Santiago e as comunas de San Bernardo e Puente Alto. Eles decidiram que era necessária uma caminhada de CLP$ 10 para ônibus e CLP$ 30 para o metrô de Santiago e Metrotrén nos horários de pico (um aumento de cerca de 4%), bem como uma redução tarifária de CLP$ 30 nos horários de menor movimento.[76] O aumento foi justificado pelo painel devido ao aumento do índice de taxas indicado na lei, que está sujeito a variações no valor do combustível, no valor do dólar americano, no valor do euro, no custo do trabalho e no preço do combustível. índice de preços ao consumidor, entre outras variáveis, para que os custos das concessionárias e do metrô subam.[77] A mudança de tarifa estava programada para entrar em vigor a partir de 6 de outubro.[78]

Alguns especialistas, como a ex-ministro Paola Tapia, indicaram que existem outros fatores que explicam o aumento. Entre esses fatores, estaria a compra sem licitação de uma nova frota de ônibus elétricos para a Rede Metropolitana de Mobilidade e a suspensão do novo leilão de serviços de ônibus, ambas decisões tomadas pela administração da Ministra Gloria Hutt.[79]

Além disso, há críticas de que as tarifas de transporte ferroviário em Santiago são as segundas mais altas da América Latina (superadas apenas por São Paulo).[80] Em termos relativos, o custo mensal médio por pessoa para o transporte público da cidade é equivalente a 13,8% do salário mínimo, muito acima de outras cidades como Buenos Aires, Cidade do México ou Lima, onde não excede 10%.[81]

Protestos de outubro[editar | editar código-fonte]

Um dos 16 ônibus de transporte público que foram queimados na noite de 18 de outubro
Forças Especiais de Carabineros assistindo protestos em 19 de outubro
A maior marcha do Chile, na praça Baquedano e arredores, Santiago, em 25 de outubro

Os protestos começaram na segunda-feira, 7 de outubro, quando estudantes do ensino médio iniciaram uma campanha orquestrada de tarifa esquivando-se no metrô de Santiago. Em resposta, a autoridade do metrô começou a controlar o acesso a várias estações.[82] Sob o slogan ¡Evade! ("evitar", "sonegar", "evadir"), a campanha de desvio de tarifa continuou e cresceu durante o restante da semana e na próxima. Na segunda-feira, 14 de outubro, várias estações da Linha 5 foram fechadas à tarde após relatos de incidentes violentos.[83] Em 15 de outubro, ocorreu um grande conflito entre estudantes e policiais na estação de Santa Ana e quatro prisões foram feitas;[84] à tarde, um grupo de manifestantes derrubou um portão de metal na estação Plaza de Armas, no centro de Santiago, e estações nas linhas 1, 3 e 5 foram fechadas para os passageiros à medida que a segurança aumentava.[85] Os confrontos continuaram e se expandiram nos dias seguintes, com catracas e máquinas de bilhetes sendo destruídas na estação de San Joaquín, em 17 de outubro, e quatro estações fechadas à noite.[86] Naquela época, 133 prisões foram feitas e os danos à infraestrutura do Metrô foram estimados em até 500 milhões de pesos (US$ 700.000).[87]

Em 20 de outubro, muitos supermercados, shoppings e cinemas permaneceram fechados[88] enquanto os protestos continuavam.[89] O toque de recolher foi imposto para aquela noite na região metropolitana de Santiago e nas regiões de Valparaíso, Biobío (incluindo a capital regional, Concepción) e Coquimbo;[90] quando o toque de recolher começou em Santiago, no entanto, o El Mercurio Online informou que muitos manifestantes continuavam na rua.[91] As autoridades locais também anunciaram o fechamento de escolas em 21 de outubro (e algumas também em 22 de outubro) em 43 das 52 comunas da Região Metropolitana e em toda a província de Concepción.[92][93]

Protestos em todo o país[editar | editar código-fonte]

Manifestações massivas[editar | editar código-fonte]

Manifestação com milhares de pessoas na Praça Sotomayor de Antofagasta.

Incidentes e vítimas[editar | editar código-fonte]

  • 18 de outubro
    • Durante os distúrbios na histórica Estação Ferroviária Central de Santiago do Chile, uma jovem mulher foi gravemente ferida nas pernas por tiros da polícia de choque de Carabineros. A mulher foi ajudada por manifestantes e transeuntes próximos, pois sofreu extensa perda de sangue antes de ser resgatada pelos serviços de emergência.[94]
  • 19 de outubro
    • Uma pessoa morreu por um tiro acidental, disparado pelo seu sogro —Miguel Ángel Rojas—, um ex-militar. Mateusz Maj, a vítima, um homem de ? anos, de nacionalidade polonesa e professor, no contexto dos protestos durante um saque no subúrbio de Maipú, no sul-ponente de Santiago. A vítima não estava envolvida no distúrbio.
    • Um médico agredido por um policial durante um protesto indicou que o policial tinha sinais de estar sob a influência de drogas.[95]
  • 20 de outubro
    • Dez mortes ocorreram em 20 de outubro. Cinco das quais, no Kayser, uma fábrica têxtil; três das quais, em dois supermercados Líder; e duas das quais, por tiros disparados por militares. Eis o detalhe.
      • Cinco pessoas morreram no incêndio de uma fábrica têxtil em Renca no domingo:[96]

Manuel Muga Cardemil, um homem de 59 anos; Andrés Ponce Ponce, um homem de 38 anos; Yoshua Osorio Arias, um adolescente de 17 anos; Julián Pérez Sánchez, um homem de 51 anos; e Luis Antonio Salas Martínez, um homem de 47 anos. Várias alegações afirmam que as forças armadas dispararam desproporcionalmente contra manifestantes.[97]

      • Três pessoas morreram no incêndio de dois supermercados Líder. Duas delas, no subúrbio de San Bernardo; e uma outra, na comuna de Quinta Normal, no noroeste da cidade:[98]

Paula Lorca Zamora, uma mulher de 44 anos; e Alicia Cofré Peñailillo, uma mulher de 42 anos. Ambas as mulheres, achadas no interior de um supermercado Líder, incendiado no subúrbio de San Bernardo, no sul de Santiago. E Renzo Barboza, um homem de 38 anos, achado no interior de um supermercado Líder, incendiado no limite de Santiago e Quinta Normal, no noroeste de Santiago.

      • Duas pessoas morreram por tiros disparados pelos militares em duas cidades do país:

Romario Veloz, um homem de 26 anos, nos arredores do terminal rodoviário da cidade de La Serena, na Grande La Serena; e Kevin Gómez Morgado, um homem de 23 anos, do lado de fora de uma loja La Polar, na cidade de Coquimbo, na Grande La Serena.

    • O presidente Piñera estendeu o estado de emergência no norte e no sul do país, e disse: "Estamos em guerra contra um inimigo poderoso que não respeita nada nem ninguém".[99]
  • 21 de outubro
    • Sete novas mortes ocorreram no dia 21 de outubro:
      • José Atilio Arancibia Pereira, um homem de 74 anos; e Eduardo Caro del Pino, um homem de 44 anos, ambas as pessoas achadas em uma loja Construmart incendiada, em La Pintana, no sul de Santiago;
      • Manuel Alejandro Rebolledo Navarrete, um homem de 22 anos, atropelado na cidade de Talcahuano, no norte da Grande Concepción, por um caminhão de Infantaria de marinha;
      • José Miguel Uribe Antipani, um homem de 25 anos, quem morreu após receber disparos na cidade de Curicó, fora da zona de emergência;
      • Um homem não identificado, quem morreu eletrocutado em um supermercado na comuna de Santiago, no centro de Santiago;
      • Álex Andrés Núñez Sandoval, um homem de 39 anos, quem morreu após receber golpes da polícia (Carabineiros) no subúrbio de Maipú, no sul-ponente de Santiago; e
      • Mariana Díaz Ricaurte, uma mulher de 34 anos, quem faleceu devido ao impacto de um projétil perdido na sua casa, em Lo Prado, no noroeste de Santiago.
  • 22 de outubro
    • No dia 22 de outubro houve dois mortos —Joel Triviño, um menino de 4 anos; e Cardenio Prado, um homem de 37 anos—, ambos atropelados enquanto fazia-se um panelaço em San Pedro de la Paz, no sul da Grande Concepción. Portanto, subiu para 15 o número de pessoas mortas nos protestos, 99 pessoas feridas a bala e pelo menos 1420 detidas.[100]
  • 23 de outubro
    • Após uma greve geral, o governo contabilizou no dia 23 de outubro 18 mortes na onda de protestos violentos, incluindo uma criança.[101] Oficialmente foram detidas 1571 pessoas, sendo 592 por não respeitar o toque de recolher.[101]
  • 24 de outubro
    • Um morto deixaram os protestos neste dia: Agustín Coro Conde, um homem de 52 anos, quem morreu por tiros realizados por um comerciante em 22 de outubro, no subúrbio de Puente Alto, no sudoeste de Santiago. O falecido não estava envolvido no conflito.
  • 25 de outubro
    • Maicol Yagual Franco, um homem de 22 anos, quem morreu calcinado em um supermercado no subúrbio de Maipú, no sul-ponente de Santiago.
  • 1 de novembro
    • Um morto deixaram os protestos neste dia: Héctor Martínez, um homem de 57 anos, quem recebeu um ataque de faca por um grupo de saqueadores, enquanto tentava defender o seu estabelecimento comercial, no bairro Franklin, na comuna de Santiago, no centro da cidade.
  • 8 de novembro
    • A Universidade Pedro de Valdivia foi incendiada. A igreja católica romana Verónica de Lastarria, perto do local principal das manifestações na Praça Baquedano foi saqueada. Uma estátua de Jesus e móveis do interior da igreja foram levados para fora na rua e queimados.[102]
  • 12 de novembro
    • Um morto deixaram os protestos na terça-feira 12 de novembro: Robinson Gómez Pedreros, um homem de 27 anos, quem morreu atropelado na cidade de Calama.
  • 13 de novembro
    • Um morto deixaram os protestos na quarta-feira 13 de novembro: Uma pessoa não identificada morreu em um incêndio de um supermercado Líder, na cidade de Arica.
  • 15 de novembro
  • 18 de novembro
    • Duas pessoas não identificadas, de sexo masculino, entre 25 e 30 anos aproximadamente, que se encontravam em uma loja Hites na cidade de Valparaíso no dia 18 de novembro —a qual sofreu um incêndio no mesmo dia—, foram achadas mortas recém a 21 de dezembro, em avançado estado de decomposição. A hipótese oficial é que, quando o incêndio foi declarado, as pessoas ficaram presas quando estavam —supostamente— participando em um saque para logo falecerem por inalação de gás.[103] As causas não são esclarecidas.
  • 27 de dezembro
    • Um morto deixaram os protestos na sexta-feira 27 de dezembro de 2019: Mauricio Fredes, um homem de 33 anos, quem se encontrava na praça Baquedano, no nordeste de Santiago, ao sofrer uma queda em um poço com água e cabos eletrificados, enquanto fugia da polícia, morrendo de asfixia por submersão.
  • 29 de janeiro
    • Um morto deixaram os protestos na quarta-feira 29 de janeiro de 2020: Jorge Mora, um homem de 37 anos, quem morreu atropelado por um caminhão de Carabineiros, em Macul, no sudeste de Santiago. O incidente ocorreu fora do Estádio Monumental David Arellano durante um confronto entre manifestantes e a polícia após uma partida de futebol.[105]
    • Em um protesto após a morte de Jorge Mora, um grupo de carabineiros espancou um jovem chamado Matías Soto. A ataque inteiro foi gravado por uma câmera de segurança. O INDH anunciou que processaria os carabineiros por tortura.[104]
  • 30 de janeiro
    • Um morto deixaram os protestos na quinta-feira 30 de janeiro: Sergio Alexander Aburto Fuentes, um homem de 22 anos, quem morreu atropelado por um ônibus do sistema Red roubado, em San Ramón, no sul de Santiago. O incidente aconteceu no contexto de protestos pelo assassinato de Jorge Mora.[106]
  • 31 de janeiro
    • Um morto deixaram os protestos na sexta-feira 31 de janeiro: Ariel Moreno, um homem de 24 anos quem faleceu logo de ficar em estado grave durante a quinta-feira, por um impacto de projétil na sua cabeça durante um protesto, no subúrbio de Padre Hurtado, no sul-ponente de Santiago. A vítima foi ferida nos arredores de uma sub-delegacia de polícia em tal subúrbio. As testemunhas alegaram que o tiro proveio da sub-delegacia.O incidente ocorreu no contexto de protestos pelo assassinato de Jorge Mora.[107] A família de Ariel favoreceu sete famílias doando os órgãos dele.
    • O corpo de um homem —que se acredita ter morrido de envenenamento por monóxido de carbono— foi recuperado de um supermercado que havia sido saqueado e queimado.[108]
  • 7 de fevereiro
  • 1 de março
    • Um morto deixaram os protestos no domingo 1 de março: Um homem de 48 anos quem faleceu após ser atropelado por um ônibus do sistema Red no subúrbio de Maipú, no sul-ponente de Santiago. O incidente aconteceu quando o motorista de ônibus fez uma manobra de contornamento para esquivar pedradas e outras armas contundentes contra tal ônibus. O motorista se entregou à polícia. Acredita-se que a vítima era um manifestante dos protestos.[109]
  • 2 de março
    • Um morto deixaram os protestos na segunda-feira 2 de março: Uma mulher idosa quem faleceu após ser atropelada por um ônibus urbano no centro da cidade de Concepción. A tragédia aconteceu no contexto de um contornamento de trânsito para evitar as pedradas, devido aos protestos. O governador da província de Concepción vinculou o atropelo aos protestos e manifestações do local.[110]
  • 6 de março
    • Um canhão d'água foi totalmente queimado pelo lançamento de um coquetel molotov contra tal veículo policial em Santiago. O ataque incendiário foi feito por manifestantes.[111]

Além disso, saques a lojas comerciais, supermercados e farmácias, enfrentamentos sérios e decenas de detidos foram relatados.[112]

  • 7 de março
    • Um morto deixaram os protestos no sábado 7 de março: Cristián Valdebenito, um homem de 48 anos, quem faleceu logo de estar em estado grave durante a sexta-feira 6 de março e sábado 7 de março por traumatismo cranioencefálico sério, ocasionado pelo impacto de um objeto contundente, sofrido na Praça Baquedano, Providencia, no nordeste de Santiago, durante confrontos entre a polícia de Forças Especiais e manifestantes em uma manifestação massiva ocorrida na sexta-feira. As testemunhas alegaram que o objeto contundente seria uma bomba lacrimogênea. A vítima finalmente faleceu de morte encefálica.[113]
Noitada em Maipú pela morte de Abel Acuña, ocorrida em 15 de novembro de 2019 na Praça Baquedano.
Homenagem aos falecidos durante os protestos, e altar a Camilo Catrillanca pelo primeiro aniversário do seu assassinato, instalado no Centro Cultural Gabriela Mistral.
Forças Especiais de Carabineiros atirando nos manifestantes na Praça dos Heróis, de Rancagua, em 20 de outubro.
"Só feridos". Postos improvisados de primeiros socorros têm sido instalados no circundante da Praça Baquedano.

Impacto econômico e financeiro[editar | editar código-fonte]

Taxa de câmbio do peso chileno em relação ao dólar americano. Em azul, valor do dólar antes da convulsão social; em vermelho, evolução após a convulsão dos protestos; em laranja, após o segundo anúncio de intervenção do Banco Central no mercado de câmbio.

Em 11 de novembro, após o anúncio adotado para a obtenção de uma nova Constituição,[114] o valor do peso chileno despencou nos mercados internacionais, tendo uma cotação de CL$760 por dólar, batendo assim ao anterior alcance de CL$759,75 atingidos em outubro de 2002.[114]

Simbologia[editar | editar código-fonte]

A bandeira nacional do Chile e a bandeira mapuche têm sido as mais comuns durante estes protestos.


Referências

  1. Medina, Sebastián (23 de outubro de 2019). «Toque de queda: horario, regiones y dónde se hará efectiva la medida este miércoles 23 de octubre». RedGol Chile (em espanhol). Consultado em 23 de outubro de 2019 
  2. «Congreso aprobó suspensión del alza de la tarifa del Metro». CNN Chile (em espanhol). 20 de outubro de 2019. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  3. «El Senado chileno aprueba el proyecto de ley para anular el alza a la tarifa del metro». CNN Chile (em espanhol). 20 de outubro de 2019. Consultado em 11 de novembro de 2019 
  4. Mayol, A. (2019). Big bang. Estallido social 2019: Modelo derrumbado-sociedad rota-política inútil. (Em espanhol) Santiago de Chile: Editorial Catalonia, pp. 98-9.
  5. «Acusación constitucional contra intendente Guevara ingresa a su semana clave». Biobio Chile (em espanhol). 19 de janeiro de 2020. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  6. «Intendente Guevara depende de un voto para seguir o ser destituido». La Tercera (em espanhol). 03 de fevereiro de 2020. Consultado em 03 de fevereiro de 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  7. «Partido del orden "salva" al intendente Guevara, y se cae la acusación constitucional en el Senado». El Mostrador (em espanhol). 04 de fevereiro de 2020. Consultado em 04 de fevereiro de 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  8. CNN, Claudia Dominguez and Daniel Silva Fernandez. «Chile's president declares state of emergency after riots over metro fare hike». CNN (em inglês). Consultado em 19 de outubro de 2019 
  9. «Chile's capital in state of emergency amid unrest» (em inglês). 19 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019 – via www.bbc.com 
  10. a b Zúñiga, Diego (20 de outubro de 2019). «Chile: ¿Por qué explotó el país tranquilo de Sudamérica?». Deutsche Welle (em espanhol). Consultado em 21 de outubro de 2019 
  11. «Los casos de colusión que han remecido el mercado chileno en la última década». emol (em espanhol). 23 de outubro de 2019. Consultado em 23 de dezembro de 2016  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  12. «Protestas en Chile: 4 claves para entender la furia y el estallido social en el país sudamericano [Protestos no Chile: 4 chaves para entender a fúria e o surto social no país sul-americano]». BBC (em espanhol). 23 de outubro de 2019. Consultado em 11 de novembro de 2019  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  13. «Piden congelar alza de la luz en la región de Antofagasta». Regionalista (em espanhol). Consultado em 20 de outubro de 2019 
  14. «Líderes sociales exigen Asamblea Constituyente y seis medidas anti abusos de corto plazo». BioBioChile. 21 de outubro de 2019. Consultado em 21 de outubro de 2019  Parâmetro desconhecido |nomes= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda)
  15. «"Exigimos la renuncia del Presidente Sebastián Piñera": artistas chilenos manifiestan su rechazo al Estado de Emergencia». Culto (em espanhol). 20 de outubro de 2019. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  16. «Mesa Social y Política de Maipú-Cerrillos: "Piñera, renuncia"». Diario La Batalla. 19 de outubro de 2019. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  17. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome https://www.cnnchile.com/pais/jose-miguel-vivanco-responde-carabineros-informe-hrw_20191205
  18. a b c Predefinição:Citar tuíte
  19. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome primavera
  20. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome santiagazo
  21. «Cristina Fernández sobre Crisis en Chile». Mega. 23 de outubro de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  22. La Tribuna (25 de outubro de 2019). «La revolución de los 30 pesos». La Tribuna. Consultado em 4 de novembro de 2019 
  23. «General Iturriaga decreta toque de queda en Santiago para afrontar graves disturbios». BioBioChile - La Red de Prensa Más Grande de Chile 
  24. «Decretan inédito toque de queda en Santiago tras fracaso del gobierno en contener ola de protestas». El Desconcierto (em espanhol) 
  25. «Protestas y destrucción se registran en San Antonio y Valparaíso tras caos en el Gran Santiago». BioBioChile - La Red de Prensa Más Grande de Chile 
  26. «Determinan toque de queda en región de Valparaíso a partir de las 00:00 horas». BiobioChile (em espanhol). 19 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  27. a b Labarca (20 de outubro de 2019). «Las claves de una crisis que no parece acabar». La Tercera (em espanhol). Consultado em 21 de outubro de 2019  Parâmetro desconhecido |nomes3= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |sobrenomes3= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nomes= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nomes2= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |sobrenomes2= ignorado (ajuda)
  28. Cooperativa.cl. «Santiago se mantiene como la segunda ciudad más cara de Latinoamérica» (em espanhol). Consultado em 24 de outubro de 2019  Parâmetro desconhecido |site web= ignorado (ajuda)
  29. «Bloomberg: "Santiago despierta en la devastación"». El Mostrador (em espanhol). 19 de outubro de 2019. Consultado em 20 de outubro de 2019 
  30. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Heridos, Carabineros, T13 Facebook
  31. «Carabineros informa 947 efectivos heridos sin entregar detalles de las lesiones de 786». Ciper Chile (em espanhol). 31 de outubro de 2019. Consultado em 1 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |nomes= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda)
  32. Espina, Fernando (20 de outubro de 2019). «22 personas lesionadas, denuncias de desnudamientos, torturas y malos tratos por Fuerzas de Orden dejan jornadas de protestas» (em espanhol). Consultado em 20 de outubro de 2019  Parâmetro desconhecido |site web= ignorado (ajuda)
  33. «HRW denuncia graves violaciones DDHH en Chile por abuso policial en protestas». La Vanguardia (em espanhol). 26 de novembro de 2019. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  34. «Amnistía presentó informe por violaciones a los derechos humanos en Chile». El Dínamo (em espanhol). 21 de novembro de 2019. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  35. «La ONU denuncia "violaciones graves de los derechos humanos" durante el estallido social en Chile». El País (em espanhol). 13 de dezembro de 2019. ISSN 1134-6582. Consultado em 13 de dezembro de 2019  Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  36. «Gobierno rechaza "categóricamente" informe de Amnistía Internacional por violaciones de derechos humanos». La Tercera. 21 de novembro de 2019. Consultado em 26 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nomes= ignorado (ajuda)
  37. Chile, C. N. N. «Karla Rubilar descarta que exista violación "sistemática" de derechos humanos y afirma que "Carabineros está al límite"». CNN Chile (em espanhol). Consultado em 4 de dezembro de 2019 
  38. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Imacec negativo, La Tercera, 3 de novembro de 2019
  39. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Metro sin seguros, Ciper, 24 de octubre de 2019
  40. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Radio Biobío, 300 000 trabajos perdidos
  41. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Cifras económicas, Radio Santiago, 18 de noviembre de 2019
  42. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Dólar a 830, Biobío Chile
  43. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Peso chileno, Diario Financiero, 11 de novembro de 2019
  44. «Dólar histórico: superó los $800 tras violenta alza». Diario Financiero (em espanhol). 12 de novembro de 2019. Consultado em 12 de novembro de 2019 
  45. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Cifras económicas, Radio Santiago, 18 de novembro de 2019
  46. «Presidente Piñera anuncia Agenda Social con mayores pensiones, aumento del ingreso mínimo, freno al costo de la electricidad, beneficios en salud, nuevos impuestos para altas rentas y defensoría para víctimas de delitos». Presidencia de la República (em espanhol). 23 de outubro de 2019. Consultado em 7 de novembro de 2019 
  47. «Histórico: Los chilenos definirán, en Plebiscito, si hay nueva Constitución y su mecanismo». Cooperativa.cl (em espanhol). 15 de novembro de 2019. Consultado em 15 de novembro de 2019 
  48. http://www.oecd.org/social/inequality.htm
  49. «Pobreza y desigualdad» (PDF) (em espanhol). 2012. Consultado em 5 de fevereiro de 2015  Parâmetro desconhecido |editoração= ignorado (ajuda)
  50. http://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.MKTP.KD.ZG?locations=CL
  51. The Economist (11 de abril de 2012). «Progress and its discontents» (em inglês). Consultado em 27 de maio de 2013 
  52. «Estado subsidiario: economía y sociedad» (em espanhol). Politica y Economia. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  53. «Oficial: Tribunal Constitucional prohíbe entrega de la píldora del día después» (em espanhol). EMOL. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  54. «Fallo del TC en educación radicaliza a los actores sociales y a la oposición» (em espanhol). RadioUchile  Parâmetro desconhecido |datacesso= ignorado (ajuda)
  55. «Senadores impugnan constitucionalidad de fondo para el plan AUGE» (em espanhol). Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  56. a b Gamonal, Germán (18 ao 31 de dezembro de 2006). «El legado político de Pinochet» (PHP) (em espanhol). www.ercilla.cl. Consultado em 22 de março de 2015  Parâmetro desconhecido |urlfile= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |filedate= ignorado (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda)
  57. «GINI index (World Bank estimate)» (em inglês). Banco Mundial. Consultado em 26 de dezembro de 2019 
  58. «Inequality». oecd.org (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2019 
  59. «Chile: ¿por qué protestan en una de las economías más prósperas de la región?» (em espanhol). 24 de outubro de 2019. Consultado em 2 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |siteweb= ignorado (ajuda)
  60. DESIGUALES Orígenes, cambios y desafíos de la brecha social en Chile (PDF) (em espanhol). [S.l.: s.n.] Junho de 2017. p. 32. ISBN 978-956-7469-86-4. Consultado em 26 de dezembro de 2019. El país ha conocido otros períodos de bajas (y alzas), pero en promedio la desigualdad se ha mantenido relativamente estable desde mediados del siglo xix. 
  61. Panorama Social de América Latina (PDF) (em espanhol). [S.l.]: CEPAL. 2019. p. 24. ISBN 978-92-1-047953-0. Consultado em 26 de dezembro de 2019 
  62. «'We are at war': 8 dead in Chile's violent protests over social inequality». The Washington Post (em inglês). 21 de outubro de 2019 
  63. «Chile protesters: 'We are subjugated by the rich. It's time for that to end'». The Guardian (em inglês). 30 de outubro de 2019. ISSN 0261-3077. Consultado em 2 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  64. Vila, Narayan (11 de abril de 2012). «"Mientras tengamos uno de los sistemas más segregados del mundo no lograremos calidad"». Radio Universidad de Chile (em espanhol). Consultado em 27 de maio de 2013 
  65. Cambio 21 (22 de março de 2013). «Impactante estudio revela que la desigualdad en Chile comienza en la sala cuna: un niño del quintil más pobre sacará 110 puntos menos en la PSU que uno del más rico» (em espanhol). Consultado em 27 de maio de 2013  Parâmetro desconhecido |urlficheiro= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |dataficheiro= ignorado (ajuda)
  66. «La desigualdad territorial en Chile». Ciudades Sostenibles (em espanhol). 14 de setembro de 2014. Consultado em 2 de novembro de 2019 
  67. «Movilidad cotidiana, desigualdad social y segregación residencial en cuatro metrópolis de América Latina». EURE (Santiago) (em espanhol). 34 (103). Dezembro de 2008. pp. 49–71. ISSN 0250-7161. doi:10.4067/S0250-71612008000300003. Consultado em 2 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |sobrenomes= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  68. «Transantiago en tacos de hora punta: tiempo de viaje en buses sube hasta 159%». economiaynegocios.cl (em espanhol). Consultado em 2 de novembro de 2019 
  69. «GDP (Nominal) vs GDP (PPP)». Com informação de: "IMF World Economic Outlook (October-2019)" (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2019 
  70. «Resultados del sector particular pagado en el Sistema Educativo chileno» (PDF) (em espanhol). Biblioteca do Congresso Nacional do Chile. 4 de setembro de 2018. Consultado em 26 de dezembro de 2019  Parâmetro desconhecido |sobrenomes1= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  71. Pedro Aravena, Manuel Inostroza. «¿Salud Pública o Privada? Los factores más importantes al evaluar el sistema de salud en Chile»  Parâmetro desconhecido |língu= ignorado (ajuda)
  72. «"Democratización del crédito": El análisis del endeudamiento en Chile y sus efectos en el malestar social | Emol.com». Emol (em espanhol). 1 de novembro de 2019. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  73. «Informe del Banco Central: Endeudamiento de los hogares chilenos alcanza máximo histórico». CNN Chile (em espanhol). Consultado em 5 de novembro de 2019 
  74. «Una cifra que aumenta: morosos en Chile superan las 4,5 millones de personas». Radio y Diario U. Chile (em espanhol). 28 de agosto de 2019. Consultado em 5 de novembro de 2019  Parâmetro desconhecido |apelidos= ignorado (ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  75. «Painel Expertos - Perguntas Frequentes» [Panel of Experts - Frequent Questions]. www.paneldeexpertostarifas.cl (em espanhol) 
  76. [1]
  77. «Así opera el panel de expertos que sube las tarifas del transporte público» [This is how the panel of experts that increases public transport rates operates]. Cooperativa.cl (em espanhol) 
  78. «Subir al Metro en horario punta costará ahora 830 pesos» [Metro rides at peak hours will now cost 830 pesos]. Cooperativa.cl (em espanhol) 
  79. «Ex ministra de Transportes: Alza de pasajes es consecuencia directa de las decisiones del Gobierno» [Former Minister of Transportation: Fare increase is a direct consequence of the Government's decisions]. Cooperativa.cl (em espanhol) 
  80. «Tarifa del Transantiago suma aumento de $200 desde su inicio en 2007» [Transantiago tariffs have increased by CLP$200 since 2007] 🔗. www.latercera.com (em espanhol)  Texto "La Tercera" ignorado (ajuda)
  81. «T13». www.t13.cl (em espanhol)  Texto "Tele 13" ignorado (ajuda)
  82. «Evasión masiva de alumnos del Instituto Nacional en el Metro termina con denuncia en Fiscalía y medidas de contención». La Tercera (em espanhol) 
  83. «Metro cierra varias estaciones de la Línea 5 por manifestaciones» (em espanhol) 
  84. Tironi. «Las evasiones masivas no paran: estación Santa Ana registra graves disturbios». Publimetro Chile (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  85. «Metro cierra estaciones por nuevas evasiones masivas» (em espanhol) 
  86. «T13 | Tele 13». www.t13.cl (em espanhol) 
  87. «Chile protests: State of emergency declared in Santiago». www.aljazeera.com (em inglês) 
  88. «¿Se puede ir al supermercado? ¿tomar un vuelo? ¿ir al cine?: qué hacer y qué no en este domingo en la capital». La Tercera (em espanhol) 
  89. Press. «Chile: protests rage as president extends state of emergency» (em inglês) – via www.theguardian.com  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  90. S.A.P. «Decretan toques de queda para las regiones Metropolitana, Biobío, Valparaíso y Coquimbo | Emol.com». Emol (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  91. S.A.P. «Toque de queda por manifestaciones | Emol.com». Emol (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  92. S.A.P. «Entregan listado de las 48 comunas que suspenderán las clases mañana lunes en la Región Metropolitana | Emol.com». Emol (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  93. «Suspensión de clases: Revisa qué comunas de la RM no tendrán clases mañana». La Tercera (em espanhol) 
  94. «Video muestra a joven herida durante jornada de protestas en Estación Central». https://www.facebook.com/eldesconciertocl/ (em espanhol) 
  95. «Médico golpeado por FF.EE. durante protestas: "Carabinero tenía los mismos rasgos de pacientes que han consumido cocaína"» (em espanhol). Consultado em 21 de outubro de 2019. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |status-url= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |data-arquivo= ignorado (ajuda)
  96. Welle (www.dw.com). «Muertos por protestas en Chile aumentan a 8 y se extiende toque de queda | DW | 21.10.2019». DW.COM (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  97. «Militares disparan en Puente Alto y hieren de gravedad a una persona: Cinco uniformados son investigados por la Fiscalía». La Tercera (em espanhol) 
  98. S.A.P. «Intendencia confirma que incendio que afectó a supermercado de San Bernardo durante saqueos dejó al menos tres fallecidos | Emol.com». Emol (em espanhol)  |nome3= sem |sobrenome3= em Authors list (ajuda)
  99. Chile's Pinera extends state of emergency, says 'we are at war' Predefinição:Arquivoweb Presidente Piñera: "Estamos en guerra contra un enemigo poderoso que no respeta a nada ni a nadie" Predefinição:Arquivarweb
  100. «Sobe para 15 número de mortos em protestos no Chile e governo é questionado sobre feridos a bala». O Globo. 22 de outubro de 2019. Consultado em 22 de outubro de 2019 
  101. a b «Número de mortos em protestos no Chile chega a 18, incluindo um menino de 4 anos». O Globo. 22 de outubro de 2019. Consultado em 23 de outubro de 2019 
  102. Chile: Protesters burn university, loot church. Em: DW.com, 9. 11. 2019. Dataacesso: 13 de novembro de 2019. Disponível online: https://www.dw.com/en/chile-protesters-burn-university-loot-church/a-51177461 Predefinição:Língua=en
  103. «Los muertos que el estallido olvidó: Los dos cuerpos que fueron encontrados en tienda saqueada de Valparaíso no tenían señales de quemaduras». El Desconcierto (em espanhol). 27 de dezembro de 2019. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  104. a b c d Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Struggle
  105. «Carabinero acusado de mortal atropello contra hincha de Colo Colo queda con firma semanal y arraigo». BioBioChile (em espanhol). 29 de janeiro de 2020. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  106. «Joven de 22 años falleció tras ser atropellado por un bus robado en San Ramón». 24horas.cl (em espanhol). 30 de janeiro de 2020. Consultado em 01 de fevereiro de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  107. «Falleció joven de 24 años herido en la cabeza durante protesta en Padre Hurtado». El Mostrador (em espanhol). 31 de janeiro de 2020. Consultado em 01 de fevereiro de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)/
  108. «Two more dead as fresh waves of violent protests break out in Chile». SBS News (em inglês). AFP-SBS. Consultado em 29 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020  Texto "citar notícia " ignorado (ajuda)
  109. «Hombre muere atropellado por bus del Transantiago durante manifestaciones en la comuna de Maipú». T13 (em espanhol). 02 de março de 2020. Consultado em 02 de março de 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)/
  110. «Mujer muere atropellada por microbús en Concepción: Gobernador lo vincula a las manifestaciones». Biobío Chile (em espanhol). 03 de março de 2020. Consultado em 03 de março de 2020  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)/
  111. «Falleció hombre que resultó con grave lesión durante manifestación en Plaza Baquedano». Bío-Bío Chile (em espanhol). 7 de março de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 /
  112. «Con saqueos, lanza aguas quemado y decena de detenidos termina convocatoria en Plaza Baquedano». Bío-Bío Chile (em espanhol). 7 de março de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 /
  113. «Falleció hombre que resultó con grave lesión durante manifestación en Plaza Baquedano». Bío-Bío Chile (em espanhol). 7 de março de 2020. Consultado em 7 de março de 2020 /
  114. a b «Dólar sin freno, supera los 760 y llega a nuevo máximo histórico en jornada de baja liquidez». Diario Financiero (em espanhol). 11 de novembro de 2019. Consultado em 12 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Protestos no Chile em 2019