Messier 87

Wikipedia open wikipedia design.

Messier 87
O núcleo galático de Messier 87 pelo Telescópio Espacial Hubble, com o jato azul de plasma visível
Dados observacionais (J2000)
Constelação Virgem
Tipo E+0-1 pec, NLRG Sy[1]
Asc. reta 12h 30m 49.42338s[2]
Declinação +12° 23′ 28.0439″[2]
Distância 53,5 ± 1,63 milhões de anos-luz[3] (16,40 ± 0,50 Mpc[3])
Redshift 0,00428[4]
Magnit. apar. 7,19[5]
Outras denominações
Mapa
Messier 87
Virgo constellation map.png

Messier 87 (M87; também chamada de Virgo A ou NGC 4486) é uma galáxia elíptica supergigante localizada na constelação de Virgem, uma das mais massivas do Universo local. Ela possui uma grande população de aglomerados globulares e um distinto jato de plasma energético que se origina em seu núcleo e estende-se por pelo menos 4,9 mil anos-luz, viajando em uma velocidade relativista. Messier 87 também é um dos pontos de rádio mais brilhantes no céu e um alvo popular para astrônomos.

Foi descoberta em 1781 pelo astrônomo francês Charles Messier, sendo inicialmente catalogada por ele como um elemento nebuloso durante uma procura por objetos que poderiam confundir caçadores de cometas. Messier 87 está a uma distância de 53 milhões de anos-luz da Terra e é a segunda galáxia mais brilhante na região norte do Aglomerado de Virgem, possuindo muitas galáxias satélite. Ela não possui nenhuma pista de poeira e tem um formato elipsoidal praticamente sem traços distintos, com a luminosidade diminuindo a medida que a distância de seu centro aumenta. Aproximadamente um sexto de sua massa consiste de estrelas em uma distribuição quase esfericamente simétrica. Sua densidade populacional diminui quanto mais longe do centro galático. No seu núcleo há um buraco negro supermassivo que forma o principal componente de seu núcleo ativo.

Messier 87 é uma grande fonte de radiação de comprimento de onda, particularmente de ondas de rádios. Seu envelope galático se estende até um raio de aproximadamente 490 mil anos-luz, onde fica truncado, possivelmente devido ao encontro com outra galáxia. Seu meio interestelar consiste de gases difusos enriquecidos por elementos emitidos por estrelas evoluídas.

Observações[editar | editar código-fonte]

O astrônomo francês Charles Messier publicou em 1781 um catálogo de 103 objetos estelares que tinham uma aparência nebulosa, parte de uma lista que tinha a intenção de identificar objetos que poderiam ser confundidos por cometas. Cada entrada do catálogo posteriormente recebeu o prefixo "Messier" ou "M". Assim, Messier 87, ou M87, foi o octogésimo sétimo objeto listado em seu catálogo, avistado pela primeira vez em 18 de março de 1781.[7] O objeto foi incluído na década de 1880 como NGC 4486 no New General Catalogue, um catálogo de nebulosas e aglomerados estelares compilado pelo astrônomo dinamarquês-britânico John Dreyer, que se baseou principalmente nas observações do astrônomo britânico John Herschel.[8]

O astrônomo norte-americano Heber Doust Curtis do Observatório Lick na Califórnia percebeu em 1918 que Messier 87 não possuía uma estrutura espiral e observou um "curioso raio reto... aparentemente conectado com o núcleo por uma fina linha de matéria". Curtis também notou que o raio parecia ser mais brilhante perto da área central do objeto.[9] Uma supernova dentro da galáxia alcançou sua magnitude fotográfica máxima de 21,5 no ano seguinte, porém este evento só foi relatado em 1922 depois do astrônomo soviético Innokentii Balanowski ter examinado as placas fotográficas.[10][11]

Identificação como galáxia[editar | editar código-fonte]

Em 1922, o astrônomo americano Edwin Hubble categorizou M87 como uma das mais brilhantes nebulosas globulares, já que não possuía estrutura espiral, mas parecia pertencer à classe das nebulosas não galácticas, assim como as nebulosas espirais.[12] Em 1926 ele criou uma nova categorização, diferenciando as nebulosas galácticas das extragalácticas, estas sendo sistemas estelares independentes. M87 foi classificada como uma nebulosa extragaláctica elíptica sem elongação aparente (classe E0).[13]

Em 1931, Hubble descreveu M87 como um membro do Aglomerado de Virgem, e deu uma estimativa de distância de 1,8 milhões de parsecs (5,9 milhões de anos-luz) da Terra. Naquela época M87 era a única nebulosa elíptica na qual estrelas individuais podiam ser observadas, embora foi notado que naquela distância estrelas individuais seriam indistinguíveis de aglomerados globulares.[14] Em seu livro de 1936 The Realm of the Nebulae, Hubble examinou a terminologia da época; alguns astrônomos se referiam às nebulosas extragalácticas como galáxias externas, uma vez que eram sistemas estelares distantes da nossa galáxias, enquanto outros preferiam o termo convencional nebulosas extragalácticas, já que galáxia se referia apenas à Via Láctea.[15] M87 continuou sendo chamada de nebulosa extragaláctica até pelo menos 1954.[16][17]

Pesquisas modernas[editar | editar código-fonte]

Em 1947, uma fonte de rádio proeminente, Virgo A, foi identificada nas mesmas coordenadas de M87.[18] A fonte foi confirmada como sendo M87 em 1953, e o jato linear originando do centro da galáxia foi sugerido como a causa. Esse jato se estendia do núcleo a um ângulo de posição de 260° até uma distância angular de 20 segundos de arco.[16] Em 1969–70, um componente forte dessa emissão de rádio foi encontrado alinhado com o jato.[19]

In 1966, o foguete Aerobee 150 do Laboratório de Pesquisa Naval dos Estados Unidos identificou Virgo X-1, a primeira fonte de raios X em Virgo.[20][21] Outro foguete Aerobee lançado em julho de 1967 forneceu mais evidências de que a fonte de Virgo X-1 era a galáxia M87.[22] Observações de raios X subsequentes pelo HEAO 1 e Observatório Einstein mostraram uma fonte complexa que inclui o núcleo galáctico ativo de M87.[23] No entanto, as emissões de raios X não se concentram no centro da galáxia.[19]

M87 tem sido um importante campo de teste para medir as massas de buracos negros supermassivos. Em 1978, modelamento da dinâmica estelar da distribuição de massa em M87 mostrou evidência de uma massa central de 5 bilhões de massas solares.[24] Após a instalação do instrumento COSTAR para corrigir o espelho do Telescópio Espacial Hubble em 1993, o Faint Object Spectrograph (FOS) no Hubble foi usado para medir a velocidade de rotação do gás ionizado no centro de M87, como uma observação inicial para testar o desempenho do Hubble após os reparos. Os dados do FOS indicavam a existência de uma massa central de 2,4 bilhões de massas solares, com incerteza de 30%.[25]

M87 foi alvo de observações pelo Event Horizon Telescope (EHT) em 2017. A edição de 10 de abril de 2019 do Astrophysical Journal Letters (vol. 875, No. 1) foi dedicada para os resultados do EHT, publicando seis artigos de acesso aberto sobre as observações.[26] As imagens obtidas pelo EHT mostram um anel brilhante ao redor da sombra do buraco negro supermassivo no centro de M87.[27] A imagem foi divulgada em uma conferência de imprensa em 10 de abril de 2019, a primeira imagem direta de um buraco negro.[28]

Visibilidade[editar | editar código-fonte]

M87 está perto da borda norte da constelação de Virgo, perto da constelação de Coma Berenices e entre as estrelas Epsilon Virginis e Denebola. A galáxia pode ser observada com um telescópio pequeno com uma abertura de 6 cm (2,4 in), estendendo-se por uma área angular de 7,2 × 6,8 minutos de arco com um brilho superficial de 12,9, incluindo um núcleo muito brilhante de 45 segundos de arco.[29] Observar o jato é difícil sem o auxílio de fotografias.[30] Antes de 1991, o astrônomo russo-americano Otto Struve era o único que afirmou ter visto o jato visualmente, usando o Telescópio Hooker de 254 cm (100 in) no Observatório Monte Wilson.[31] Nos anos mais recentes ele tem sido observado por telescópios amadores grandes em condições excelentes de visualização.[32]

Em astrofotografias de longa exposição, a galáxia se estende por mais de 30 minutos de arco (o diâmetro aparente da Lua), e sua parte mais externa é alongada e irregular, em contraste com a parte interna circular que é normalmente observada. Isso corresponde a uma extensão linear de mais de 500 000 anos-luz. M87 é observada próxima de várias outras galáxias menores, algumas de fato galáxias satélites e outras sendo apenas conjunções. As mais brilhantes dessas galáxias são NGC 4476, NGC 4478, NGC 4486A e NGC 4486B.[33]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Na classificação de Hubble modificada criada pelo astrônomo francês Gérard de Vaucouleurs, M87 é categorizada como uma galáxia E0p. "E0" significa que é uma galáxia elíptica que não apresenta nenhum achatamento e é aproximadamente esférica.[34] O sufixo "p" indica que é uma galáxia peculiar que não se encaixa em outra classificação; nesse caso, a peculiaridade é a presença de um jato originado do núcleo.[34][35] No sistema de Yerkes (Morgan), M87 é classificada como uma galáxia do tipo cD.[36][37] Uma galáxia D possui um núcleo elíptico cercado por um componente grande, difuso e sem poeira. Uma galáxia supergigante do tipo D é conhecida como uma galáxia cD.[38][39]

Galáxias elípticas gigantes como M87 são o resultado da fusão de várias galáxias menores.[40] Em contraste com as galáxias espirais, elas tipicamente possuem pouco gás interestelar e são formadas principalmente por estrelas velhas, com pouca ou nenhuma formação estelar. O formato elíptico de M87 é o resultado do movimento orbital aleatório de suas estrelas, ao contrário do movimento predominante em um plano que forma o disco das galáxias espirais.[41] Observações om o Very Large Telescope do movimento de nebulosas planetárias indicam que M87 absorveu uma galáxia espiral de tamanho médio no último bilhão de anos. Isso resultou na adição de estrelas mais jovens e azuis em M87, o que é observado como um excesso de luminosidade na região externa da galáxia. Outros eventos como esse provavelmente aconteceram ao longo da evolução de M87 e foram responsáveis pelo crescimento da galáxia até seu tamanho atual.[42][43]

A distância até M87 foi estimado por várias técnicas independentes, incluindo a medição da luminosidade de nebulosas planetárias, comparação com galáxias próximas com distâncias estimadas por velas padrão como variáveis cefeidas, a distribuição de tamanho linear de aglomerados globulares, e o método da ponta do ramo das gigantes vermelhas usando estrelas gigante vermelhas individuais. Esses métodos fornecem distâncias consistentes umas com as outras, com uma média ponderada de 16,4 ± 0,5 Mpc (53,5 ± 1,6 milhões de anos-luz).[44]

Massa em função do raio
Raio
kpc
Massa
×1012 M
32 2,4[45]
44 3,0[46]
47 5,7[47]
50 6,0[48]

M87 é uma das galáxias mais massivas do Universo local. Seu diâmetro é estimado em 240 000 anos-uz, um pouco maior que o da Via Láctea.[47] Como uma galáxia elíptica, a galáxia é esferoide ao invés de um disco, o que resulta em uma massa muito maior para M87. Dentro de um raio de 32 kpc (100 000 anos-luz), a massa contida é de (2,4 ± 0,6) × 1012 vezes a massa solar,[45] que é o dobro da massa da Via Láctea.[49] No total, M87 pode ter cerca de 200 vezes a massa da Via Láctea.[50] Como é típico da maioria das galáxias, a maior parte dessa massa é matéria escura, com uma pequena fração formando estrelas: M87 tem uma razão massa para luminosidade de 6,3 ± 0,8, o que quer dizer que apenas um sexto da massa da galáxia está na forma de estrelas que irradiam energia.[51] Essa taxa varia de 5 a 30, de forma aproximadamente proporcional a r1,7 na região de 9–40 kpc (290 00 – 130 000 anos-luz) do núcleo.[46]

A galáxia absorve gás intergaláctico a uma taxa de 2–3 massas solares por ano, da qual a maior parte acumula na região do núcleo.[52] O envelope estelar estendido de M87 chega a um raio de cerca de 150 kpc (490 000 anos-luz),[53] comparado com cerca de 100 kpc (330 000 anos-luz) para a Via Láctea.[54] Depois dessa distância a borda externa da galáxia foi limitada de alguma forma, possivelmente por um encontro com outra galáxia no passado.[53][55] Existem evidências de correntes estelares no noroeste da galáxia, que podem ter sido criadas por interações com galáxias menores.[56] Além disso, um filamento de gás quente ionizado no nordeste da galáxia pode ser o resto de uma galáxia pequena rica em gás que foi rompida por M87, e pode estar alimentado o núcleo ativo.[57] Estima-se que M87 tenha pelo menos 50 galáxias satélites, incluindo NGC 4486B e NGC 4478.[58][59]

O espectro da região central de M87 mostra as linhas de emissão de vários íons, incluindo hidrogênio (HI, HII), hélio (HeI), oxigênio (OI, OII, OIII), nitrogênio (NI), magnésio (MgII) e enxofre (SII). As linhas espectrais de átomos fracamente ionizados (como o oxigênio atômico neutro, OI) são mais intensas que as de átomos fortemente ionizados (como o oxigênio duplamente ionizado, OIII). Um núcleo galáctico com essa propriedade espectral é denominado LINER, ou "região nuclear de linhas de emissão de baixa ionização".[60][61] O mecanismo que faz predominar linhas de ionização fraca em LINERs não é conhecido. Possíveis causas incluem excitação por ondas de choque do meio interestelar[60][61] ou fotoionização por radiação ultravioleta da região do núcleo.[62]

Componentes[editar | editar código-fonte]

Buraco negro supermassivo[editar | editar código-fonte]

Buraco negro supermassivo no centro de M87. Imagem obtida pelo Event Horizon Telescope em ondas de rádio de 1,3 mm. A região escura central é a sombra do buraco negro e é maior que o horizonte de eventos.

O núcleo de M87 contém um buraco negro supermassivo, designado M87*,[26][63] que é um dos mais buracos negros mais massivos conhecidos, com bilhões de vezes a massa solar; estimativas modernas de sua massa variam entre (3,5+0,9
−0,7
)×109 M, com base na dinâmica do gás,[64] até (6,6 ± 0,4)×109 M a partir do movimento de estrelas.[65] Uma massa de (6,5 ± 0,7)×109 M é estimada a partir das observações do Event Horizon Telescope, comparando a imagem obtida do buraco negro com simulações teóricas.[66] O buraco negro é cercado por um disco de gás ionizado em rotação, aproximadamente perpendicular ao jato relativístico. O disco gira com uma velocidade de rotação de até 1 000 km/s,[67] e se estende por um diâmetro máximo de 0,12 parsecs (25 000 UA; 0,39 anos-luz).[68] O buraco negro absorve gás por acreção a uma taxa estimada de uma massa solar a cada 10 anos (cerca de 90 massas terrestres por dia).[69] O raio de Schwarzschild do buraco negro, que define a localização do horizonte de eventos dentro do qual nada consegue escapar, é de 0,00059 parsecs (0,0019 anos-luz), ou cerca de 120 vezes a distância da Terra ao Sol.[70]

Um artigo de 2010, usando dados da Advanced Camera for Surveys no Telescópio Espacial Hubble, encontrou evidência de que o buraco negro está deslocado do centro da galáxia por aproximadamente 7 parsecs (23 anos-luz).[71] Esse deslocamento foi observado na direção oposta à do jato, indicando que o buraco negro pode estar sendo acelerado pelo jato. Outra possibilidade é que a mudança de posição seja resultado da fusão de um par de buracos negros supermassivos.[71][72] No entanto, um estudo de 2011 não observou nenhum deslocamento significativo,[65] e um estudo de 2018, com base em imagens de alta resolução de M87 ao longo de 20 anos, concluiu que esse deslocamento aparente é causado por mudanças temporais no brilho do núcleo da galáxia, usado para determinar o centro de luz da galáxia.[73]

Em abril de 2019, o buraco negro supermassivo de M87 foi o primeiro a ter uma imagem real divulgada na história. O buraco negro foi observado por um conjunto de oito radiotelescópios ao redor do mundo que juntos criaram um telescópio virtual com aproximadamente o diâmetro da Terra—o Event Horizon Telescope. Os dados obtidos em 2017 foram processados e renderizados com diversos métodos de calibração e obtenção de imagens, revelando a imagem de um anel assimétrico de emissão com uma região central escura. O anel tem um diâmetro angular de (42 ± 3)×10-6 segundos de arco, ou 0,0034 parsecs (690 UA; 0,011 anos-luz) à distância da galáxia, e corresponde a gás aquecido orbitando o buraco negro. A região escura, chamada de sombra do buraco negro, tem cerca de 2,6 vezes o tamanho do horizonte de eventos.[74][75]

Da mesma forma que M87 é uma galáxia elíptica gigante que cresce incorporando outras galáxias menores, seu buraco negro supermassivo também deve crescer através da fusão com os buracos negros centrais dessas galáxias, cujas órbitas decaem por fricção dinâmica. Assim, é possível que M87* tenha um ou múltiplos buracos negros companheiros que ainda não foram absorvidos.[76] A presença de um buraco negro companheiro próximo com mais de 7% da massa de M87* pode ser excluída pela ausência de seu sinal de ondas gravitacionais.[77] É mais provável que os companheiros hipotéticos de M87* sejam buracos negros de massa intermediária, que possuem um tempo de decaimento maior e são encontrados no centro da maioria das galáxias absorvidas (galáxias satélites de baixa massa). Sua detecção poderia ser possível por técnicas de astrometria, medindo a posição precisa de M87* com o Event Horizon Telescope ao longo de um período de anos.[76]

Características[editar | editar código-fonte]

É um dos objetos mais notáveis do céu. É a galáxia dominante do aglomerado de Virgem, o maior grande grupo galáctico próximo da Terra, situado a uma distância de cerca de 60 milhões de anos-luz. M87 representa o centro do aglomerado, próximo das galáxias Messier 84 e Messier 86.[33]

É a galáxia com o maior número de aglomerados globulares conhecidos, mais de 13 000 segundo William E. Harris, duas ordens de magnitude a mais do que o número de aglomerados da Via-Láctea, estimada entre 150 e 200.[33]

Dentre suas características mais notáveis destaca-se um jato gigantesco de matéria que sai de seu núcleo, descoberta por Heber D. Curtis em 1918 no observatório Lick. Estende-se por mais de 8 000 anos-luz, consistida de gás ejetado de seu núcleo galáctico, emitindo uma radiação fortemente polarizada, semelhantemente à radiação síncronton, contínua na maior parte do espectro eletromagnético e azulada em fotografias de curta exposição. O gás do jato está em extrema turbulência e viaja a uma velocidade muito próxima à da luz e seus detalhes podem ser resolvidos com grandes telescópios em pontos e nuvens, de acordo com Halton Arp e Jean Lorre. Um segundo jato foi descoberto por Arp em 1966, apontando no sentido oposto, muito menos luminoso.[33]

Também é uma forte fonte de rádio, a mais brilhante na constelação de Virgem, de acordo com Walter Baade e Rudolph Minkowski. Em seu torno existe um halo perceptível em rádio, segundo John E. Baldwin e Francis Graham-Smith. A galáxia também é uma fonte de raios-X e o ponto de emissão situa-se na periferia da galáxia, em uma nuvem estelar extremamente quente.[33]

Seu núcleo galáctico é muito ativo e de acordo com investigações realizadas com o Telescópio Espacial Hubble, há evidências da existência de um buraco negro supermassivo com cerca de 2 a 3 bilhões de massas solares, concentrada em uma região de apenas 60 anos-luz do centro da galáxia. Em torno do objeto, há um disco de acreção em rápida rotação. Apenas uma supernova foi descoberta em M87, a SN 1919A, descoberta três anos após a explosão, em 1922, por I. Balanowski, que estimou sua magnitude aparente máxima em 11,5.[33]

Referências

  1. a b «Results for object Messier 087». NASA/IPAC Extragalactic Database. Instituto de Tecnologia da Califórnia. Consultado em 26 de abril de 2019 
  2. a b Lambert, S. B.; Gontier, A. M. (janeiro de 2009). «On radio source selection to define a stable celestial frame». Astronomy & Astrophysics. 493 (1): 317–323. doi:10.1051/0004-6361:200810582 
  3. a b Bird, S.; Harris, W. E.; Blakeslee, J. P.; Flynn, C. (dezembro de 2010). «The inner halo of M87: a first direct view of the red-giant population». Astronomy & Astrophysics. 524: A71. doi:10.1051/0004-6361/201014876 
  4. Cappellari, Michele; et al. (11 de maio de 2011). «The ATLAS3D project - I. A volume-limited sample of 260 nearby early-type galaxies: science goals and selection criteria». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 413 (2): 813–836. doi:10.1111/j.1365-2966.2010.18174.x 
  5. Ferrarese, L.; et al. (junho de 2006). «The ACS Virgo Cluster Survey. VI. Isophotal Analysis and the Structure of Early-Type Galaxies». The Astrophysical Journal Supplement Series. 164 (2): 334–434. doi:10.1086/501350 
  6. Turland, B. D. (fevereiro de 1975). «Observations of M87 at 5 GHz with the 5-km telescope». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 170 (2): 281–294. doi:10.1093/mnras/170.2.281 
  7. Basu, B.; Chattopadhyay, T.; Biswas, S. N. (2010). An Introduction to Astrophysics 2ª ed. Nova Deli: PHI Learning Pvt. Ltd. p. 278. ISBN 978-81-203-4071-8 
  8. Dreyer, John (1888). «A New General Catalogue of Nebulae and Clusters of Stars, being the Catalogue of the late Sir John F.W. Herschel, Bart., revised, corrected, and enlarged». Memoirs of the Royal Astronomical Society. 49: 1–237. Bibcode:1888MmRAS..49....1D 
  9. Curtis, Heber Doust (1918). «Descriptions of 762 Nebulae and Clusters Photographed with the Crossley Reflector». Publications of the Lick Observatory. 13: 9–42. Bibcode:1918PLicO..13....9C 
  10. Hubble, Edwin (outubro de 1923). «Messier 87 and Belanowsky's Nova». Publications of the Astronomical Society of the Pacific. 35 (207): 261–263. doi:10.1086/123332 
  11. Shklovskii, I. S. (agosto de 1980). «Supernovae in Multiple Systems». Soviet Astronomy. 24: 387–389. Bibcode:1980SvA....24..387S 
  12. Hubble, E. P. (outubro de 1922). «A general study of diffuse galactic nebulae». The Astrophysical Journal. 56: 162–199. Bibcode:1922ApJ....56..162H. doi:10.1086/142698 
  13. Hubble, E. P. (dezembro de 1926). «Extragalactic nebulae». The Astrophysical Journal. 64: 321–369. Bibcode:1926ApJ....64..321H. doi:10.1086/143018 
  14. Hubble, E.; Humason, M. L. (julho de 1931). «The Velocity-Distance Relation among Extra-Galactic Nebulae». The Astrophysical Journal. 74: 43–80. Bibcode:1931ApJ....74...43H. doi:10.1086/143323 
  15. Hubble, E. P. (1936). The realm of the nebulae. Col: Mrs. Hepsa Ely Silliman Memorial Lectures, 25. New Haven: Yale University Press. ISBN 9780300025002. OCLC 611263346. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2015 (pp. 16–17)
  16. a b Baade, W.; Minkowski, R. (janeiro de 1954). «On the Identification of Radio Sources». The Astrophysical Journal. 119: 215–231. Bibcode:1954ApJ...119..215B. doi:10.1086/145813 
  17. Burbidge, G. R. (setembro de 1956). «On Synchrotron Radiation from Messier 87». The Astrophysical Journal. 124: 416–429. Bibcode:1956ApJ...124..416B. doi:10.1086/146237 
  18. Stanley, G. J.; Slee, O. B. (junho de 1950). «Galactic Radiation at Radio Frequencies. II. The Discrete Sources». Australian Journal of Scientific Research A. 3 (2): 234–250. Bibcode:1950AuSRA...3..234S. doi:10.1071/ch9500234 
  19. a b Turland, B. D. (fevereiro de 1975). «Observations of M87 at 5 GHz with the 5-km telescope». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 170 (2): 281–294. Bibcode:1975MNRAS.170..281T. doi:10.1093/mnras/170.2.281 
  20. Drake, S. A. «A Brief History of High-Energy Astronomy: 1965–1969». NASA HEASARC. Consultado em 28 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 14 de maio de 2012 
  21. Charles, P. A.; Seward, F. D. (1995). Exploring the X-ray universe. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press. p. 9. ISBN 978-0-521-43712-7 
  22. Bradt, H.; Naranan, S.; Rappaport, S.; Spada, G. (junho de 1968). «Celestial Positions of X-ray Sources in Sagittarius». The Astrophysical Journal. 152 (6): 1005–1013. Bibcode:1968ApJ...152.1005B. doi:10.1086/149613 
  23. Lea, S. M.; Mushotzky, R.; Holt, S. S. (novembro de 1982). «Einstein Observatory solid state spectrometer observations of M87 and the Virgo cluster». Astrophysical Journal, Part 1. 262: 24–32. Bibcode:1982ApJ...262...24L. doi:10.1086/160392. hdl:2060/19820026438 
  24. Sargent, W. L. W.; Young, P. J.; Lynds, C. R.; et al. (maio de 1978). «Dynamical evidence for a central mass concentration in the galaxy M87». The Astrophysical Journal. 221: 731–744. Bibcode:1978ApJ...221..731S. doi:10.1086/156077 
  25. Harms, R. J.; et al. (novembro de 1994). «HST FOS spectroscopy of M87: Evidence for a disk of ionized gas around a massive black hole». The Astrophysical Journal Letters. 435: L35–L38. Bibcode:1994ApJ...435L..35H. doi:10.1086/187588 
  26. a b The Event Horizon Telescope Collaboration (10 de abril de 2019). «First M87 Event Horizon Telescope Results». The Astrophysical Journal Letters – IOPscience  Ver vol. 875, No. 1 para os seis artigos publicação de acesso livre - leitura gratuita
  27. The Event Horizon Telescope Collaboration (2019). «First M87 Event Horizon Telescope Results. IV. Imaging the Central Supermassive Black Hole» (PDF). The Astrophysical Journal. 875 (1): L4. Bibcode:2019ApJ...875L...4E. ISSN 2041-8213. doi:10.3847/2041-8213/ab0e85 
  28. Jeffrey, K. (10 de abril de 2019). «These Are the First Pictures of a Black Hole — And That's a Big, Even Supermassive, Deal». Time. Consultado em 10 de abril de 2019 
  29. Luginbuhl, C. B.; Skiff, B. A. (1998). Observing Handbook and Catalogue of Deep-Sky Objects 2nd ed. Cambridge, United Kingdom: Cambridge University Press. p. 266. ISBN 978-0-521-62556-2 . As dimensões 7′,2 x 6′,8 se referem ao tamanho do halo como visto em um telescópio amador.
  30. Cooke, A. (2005). Visual astronomy under dark skies: a new approach to observing deep space. Col: Patrick Moore's practical astronomy series. London, United Kingdom: Springer-Verlag. pp. 5–37. ISBN 978-1-85233-901-2 
  31. Clark, R. N. (1990). Visual astronomy of the deep sky. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 153. ISBN 978-0-521-36155-2 
  32. «Visual observations of the M87 jet». Adventures in Deep Space. Astronomy-Mall. Consultado em 7 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 7 de julho de 2011 
  33. a b c d e f Hartmut Frommert e Christine Kronberg (21 de agosto de 2007). «Messier Object 87» (em inglês). SEDS. Consultado em 12 de abril de 2019 
  34. a b Park, K. S.; Chun, M. S. (junho de 1987). «Dynamical Structure of NGC 4486». Journal of Astronomy and Space Science. 4 (1): 35–45. Bibcode:1987JASS....4...35P 
  35. Jones, M. H.; Lambourne, R. J. (2004). An introduction to galaxies and cosmology. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 69. ISBN 978-0-521-54623-2 
  36. Kundu, A.; Whitmore, B. C. (2001). «New Insights from HST Studies of Globular Cluster Systems. I. Colors, Distances, and Specific Frequencies of 28 Elliptical Galaxies». The Astronomical Journal. 121 (6): 2950–2973. Bibcode:2001AJ....121.2950K. arXiv:astro-ph/0103021Acessível livremente. doi:10.1086/321073 
  37. Chakrabarty, D. (2007). «Mass modelling with minimum kinematic information». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 377 (1): 30–40. Bibcode:2007MNRAS.377...30C. arXiv:astro-ph/0702065Acessível livremente. doi:10.1111/j.1365-2966.2007.11583.x 
  38. Oemler, A. Jr. (novembro de 1976). «The structure of elliptical and cD galaxies». The Astrophysical Journal. 209: 693–709. Bibcode:1976ApJ...209..693O. doi:10.1086/154769 
  39. Whitmore, B. C. (15–17 de maio de 1989). «Effect of the Cluster Environment on Galaxies». In: William R. Oegerle; Michael J. Fitchett; Laura Danly. Clusters of galaxies: proceedings of the Clusters of Galaxies Meeting. Space Telescope Science Institute symposium series. 4. Baltimore: Cambridge University Press. p. 151. ISBN 0-521-38462-1 
  40. Dehnen, Walter (15–19 de setembro de 1997). «M 87 as a Galaxy». In: Hermann-Josef Röser; Klaus Meisenheimer. The radio galaxy Messier 87: proceedings of a workshop. Ringberg Castle, Tegernsee, Germany: Springer. p. 31. Bibcode:1999LNP...530...31D. arXiv:astro-ph/9802224Acessível livremente. doi:10.1007/BFb0106415 
  41. Steinicke, W.; Jakiel, R. (2007). Galaxies and how to observe them. Col: Astronomers' observing guides. [S.l.]: Springer. pp. 32–33. ISBN 978-1-85233-752-0 
  42. «Giant Galaxy is Still Growing». European Southern Observatory. 25 de junho de 2015. Cópia arquivada em 26 de junho de 2015 
  43. Longobardi, A.; Arnaboldi, M.; Gerhard, O.; Mihos, J. C. (julho de 2015). «The build-up of the cD halo of M87 – evidence for accretion in the last Gyr». Astronomy and Astrophysics. 579 (3): L3–L6. Bibcode:2015A&A...579L...3L. arXiv:1504.04369Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201526282 
  44. Bird, S.; Harris, W. E.; Blakeslee, J. P.; Flynn, C. (dezembro de 2010). «The inner halo of M87: a first direct view of the red-giant population». Astronomy and Astrophysics. 524: A71. Bibcode:2010A&A...524A..71B. arXiv:1009.3202Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201014876 
  45. a b Wu, X.; Tremaine, S. (2006). «Deriving the Mass Distribution of M87 from Globular Clusters». The Astrophysical Journal. 643 (1): 210–221. Bibcode:2006ApJ...643..210W. arXiv:astro-ph/0508463Acessível livremente. doi:10.1086/501515 
  46. a b Cohen, J. G.; Ryzhov, A. (setembro de 1997). «The Dynamics of the M87 Globular Cluster System». The Astrophysical Journal. 486 (1): 230–241. Bibcode:1997ApJ...486..230C. arXiv:astro-ph/9704051Acessível livremente. doi:10.1086/304518 
  47. a b Murphy, J. D.; Gebhardt, K.; Adams, J. J. (março de 2011). «Galaxy Kinematics with VIRUS-P: The Dark Matter Halo of M87». The Astrophysical Journal. 729 (2). 129 páginas. Bibcode:2011ApJ...729..129M. arXiv:1101.1957Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/729/2/129 
  48. Merritt, D.; Tremblay, B. (dezembro de 1993). «The distribution of dark matter in the halo of M87». The Astronomical Journal. 106 (6): 2229–2242. Bibcode:1993AJ....106.2229M. doi:10.1086/116796 
  49. Battaglia, G.; Helmi, A.; Morrison, H.; et al. (dezembro de 2005). «The radial velocity dispersion profile of the Galactic halo: Constraining the density profile of the dark halo of the Milky Way». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 364 (2): 433–442. Bibcode:2005MNRAS.364..433B. arXiv:astro-ph/0506102Acessível livremente. doi:10.1111/j.1365-2966.2005.09367.x 
  50. Leverington, D. (2000). New cosmic horizons: space astronomy from the V2 to the Hubble Space Telescope. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 343. ISBN 978-0-521-65833-1 
  51. Gebhardt, K.; Thomas, J. (2009). «The Black Hole Mass, Stellar Mass-to-Light Ratio, and Dark Halo in M87». The Astrophysical Journal. 700 (2): 1690–1701. Bibcode:2009ApJ...700.1690G. arXiv:0906.1492Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/700/2/1690 
  52. Burns, J. O.; White, R. A.; Haynes, M. P. (1981). «A search for neutral hydrogen in D and cD galaxies». The Astronomical Journal. 86: 1120–1125. Bibcode:1981AJ.....86.1120B. doi:10.1086/112992 
  53. a b Doherty, M.; Arnaboldi, M.; Das, P.; et al. (agosto de 2009). «The edge of the M87 halo and the kinematics of the diffuse light in the Virgo cluster core». Astronomy and Astrophysics. 502 (3): 771–786. Bibcode:2009A&A...502..771D. arXiv:0905.1958Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/200811532 
  54. Bland-Hawthorn, J.; Freeman, K. (janeiro de 2000). «The Baryon Halo of the Milky Way: A Fossil Record of Its Formation». Science. 287 (5450): 79–84. Bibcode:2000Sci...287...79B. PMID 10615053. doi:10.1126/science.287.5450.79 
  55. Klotz, I. (8 de junho de 2009). «Galaxy's Outer Halo Lopped Off». Discovery News. Consultado em 25 de abril de 2010. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2009 
  56. Janowiecki, S.; Mithos, J. C.; Harding, P.; et al. (junho de 2010). «Diffuse Tidal Structures in the Halos of Virgo Ellipticals». The Astrophysical Journal. 715 (2): 972–985. Bibcode:2010ApJ...715..972J. arXiv:1004.1473Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/715/2/972 
  57. Gavazzi, G.; Boselli, A.; Vílchez, J. M.; et al. (setembro de 2000). «The filament of ionized gas in the outskirt of M87». Astronomy & Astrophysics. 361: 1–4. Bibcode:2000A&A...361....1G. arXiv:astro-ph/0007323Acessível livremente 
  58. Oldham, L. J.; Evans, N. W. (outubro de 2016). «Is there substructure around M87?». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 460 (1): 298–306. Bibcode:2016MNRAS.462..298O. arXiv:1607.02477Acessível livremente. doi:10.1093/mnras/stw1574 
  59. Fischer, D.; Duerbeck, H. (1998). Hubble Revisited: New Images from the Discovery Machine. [S.l.]: Copernicus New York. p. 73. ISBN 978-0387985510 
  60. a b Tsvetanov, Z. I.; Hartig, G. F.; Ford, H. C.; et al. (1999). «The Nuclear Spectrum of M87». In: Röser, H. J.; Meisenheimer, K. The Radio Galaxy Messier 87. The Radio Galaxy Messier 87. Col: Lecture Notes in Physics. 530. [S.l.: s.n.] pp. 307–312. Bibcode:1999LNP...530..307T. ISBN 978-3-540-66209-9. arXiv:astro-ph/9801037Acessível livremente. doi:10.1007/BFb0106442 
  61. a b Dopita, M. A.; Koratkar, A. P.; Allen, M. G.; et al. (novembro de 1997). «The LINER Nucleus of M87: A Shock-excited Dissipative Accretion Disk». The Astrophysical Journal. 490 (1): 202–215. Bibcode:1997ApJ...490..202D. doi:10.1086/304862 
  62. Sabra, B. M.; Shields, J. C.; Ho, L C.; et al. (fevereiro de 2003). «Emission and Absorption in the M87 LINER». The Astrophysical Journal. 584 (1): 164–175. Bibcode:2003ApJ...584..164S. arXiv:astro-ph/0210391Acessível livremente. doi:10.1086/345664 
  63. Lu, Donna (12 de abril de 2019). «How do you name a black hole? It is actually pretty complicated». New Scientist. London. Consultado em 12 de abril de 2019. "For the case of M87*, which is the designation of this black hole, a (very nice) name has been proposed, but it has not received an official IAU approval," says Christensen. 
  64. Walsh, J. L.; Barth, A. J.; Ho, L. C.; Sarzi, M. (junho de 2013). «The M87 Black Hole Mass from Gas-dynamical Models of Space Telescope Imaging Spectrograph Observations». The Astrophysical Journal. 770 (2). 86 páginas. Bibcode:2013ApJ...770...86W. arXiv:1304.7273Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/770/2/86 
  65. a b Gebhardt, K.; et al. (março de 2011). «The Black-Hole Mass in M87 from Gemini/NIFS Adaptive Optics Observations». The Astrophysical Journal. 729 (2): 119–131. Bibcode:2011ApJ...729..119G. arXiv:1101.1954Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/729/2/119 
  66. The Event Horizon Telescope Collaboration (10 de abril de 2019). «First M87 Event Horizon Telescope Results. VI. The Shadow and Mass of the Central Black Hole» (PDF). The Astrophysical Journal. 875 (1): L6. Bibcode:2019ApJ...875L...6E. doi:10.3847/2041-8213/ab1141 
  67. Macchetto, F.; Marconi, A.; Axon, D. J.; et al. (novembro de 1997). «The Supermassive Black Hole of M87 and the Kinematics of Its Associated Gaseous Disk». The Astrophysical Journal. 489 (2): 579–600. Bibcode:1997ApJ...489..579M. arXiv:astro-ph/9706252Acessível livremente. doi:10.1086/304823 
  68. Matveyenko, L. I.; Seleznev, S. V. (março de 2011). «Fine core-jet structure of the galaxy M87». Astronomy Letters. 37 (3): 154–170. Bibcode:2011AstL...37..154M. doi:10.1134/S1063773711030030 
  69. Di Matteo, .; Allen, S. W.; Fabian, A. C.; et al. (2003). «Accretion onto the Supermassive Black Hole in M87». The Astrophysical Journal. 582 (1): 133–140. Bibcode:2003ApJ...582..133D. arXiv:astro-ph/0202238Acessível livremente. doi:10.1086/344504 
  70. Akiyama, Kazunori; Lu, Ru-Sen; Fish, Vincent L; et al. (julho de 2015). «230 GHz VLBI Observations of M87: Event-horizon-scale Structure during an Enhanced Very-high-energy γ-Ray State in 2012». The Astrophysical Journal. 807 (2). 150 páginas. Bibcode:2015ApJ...807..150A. arXiv:1505.03545Acessível livremente. doi:10.1088/0004-637X/807/2/150. hdl:1721.1/98305 
  71. a b Batcheldor, D.; Robinson, A.; Axon, D. J.; et al. (julho de 2010). «A Displaced Supermassive Black Hole in M87». The Astrophysical Journal Letters. 717 (1): L6–L10. Bibcode:2010ApJ...717L...6B. arXiv:1005.2173Acessível livremente. doi:10.1088/2041-8205/717/1/L6 
  72. Cowen, R. (9 de junho de 2010). «Black hole shoved aside, along with 'central' dogma». ScienceNews. 177 (13): 9. Consultado em 29 de maio de 2010. Cópia arquivada em 28 de maio de 2010 
  73. López-Navas, E.; Prieto, M. A. (2018). «The photocentre-AGN displacement: is M87 actually harbouring a displaced supermassive black hole?». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 480 (3): 4099. Bibcode:2018MNRAS.480.4099L. arXiv:1808.04123Acessível livremente. doi:10.1093/mnras/sty2148 
  74. The Event Horizon Telescope Collaboration (10 de abril de 2019). «First M87 Event Horizon Telescope Results. I. The Shadow of the Supermassive Black Hole» (PDF). The Astrophysical Journal Letters. 87 (1): L1. Bibcode:2019ApJ...875L...1E. doi:10.3847/2041-8213/ab0ec7 
  75. «Astronomers Capture First Image of a Black Hole». Observatório Europeu do Sul (em inglês). 10 de abril de 2019. Consultado em 9 de novembro de 2019 
  76. a b Safarzadeh, Mohammadtaher; Loeb, Abraham; Reid, Mark (setembro de 2019). «Constraining a black hole companion for M87* through imaging by the Event Horizon Telescope». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society: Letters. 488 (1): L90-L93. Bibcode:2019MNRAS.488L..90S. doi:10.1093/mnrasl/slz108 
  77. Schutz, Katelin; Ma, Chung-Pei (junho de 2016). «Constraints on individual supermassive black hole binaries from pulsar timing array limits on continuous gravitational waves». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 459 (2): 1737-1744. Bibcode:2016MNRAS.459.1737S. doi:10.1093/mnras/stw768 


This page is based on a Wikipedia article written by contributors (read/edit).
Text is available under the CC BY-SA 4.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.

  • Oriflame Üyelik
  • Destek