Impeachment de Donald Trump

Impeachment de Donald Trump
House of Representatives Votes to Adopt the Articles of Impeachment Against Donald Trump.jpg
A Câmara dos Representantes votando a resolução de impeachment de Trump.
Acusado Donald Trump
(Investigado)
Proponentes Nancy Pelosi
(Presidente da Câmara dos Representantes)
Adam Schiff
(Presidente do Comitê de Inteligência da Câmara)
Jerry Nadler
(Presidente do Comitê Judiciário da Câmara)
Período 24 de setembro de 2019 a 5 de fevereiro de 2020
Situação Concluído pela absolvição em 5 de fevereiro de 2020
Acusações Abuso de poder e obstrução do Congresso
Causa Alegação de que Trump buscou ajuda de autoridades ucranianas para lhe favorecer na eleição presidencial de 2020
Votações
Na Câmara quanto à acusação de abuso de poder
Placar
  • 230 favoráveis
  • 197 contrários
  • 3 não votaram
  • 1 Presidente da Câmara
Resultado Artigo enviado ao Senado
Na Câmara quanto à acusação de obstrução do Congresso
Placar
  • 229 favoráveis
  • 198 contrários
  • 3 não votaram
  • 1 Presidente da Câmara
Resultado Artigo enviado ao Senado
No Senado quanto à acusação de abuso de poder
Placar
  • 52 contrários
  • 48 favoráveis
Resultado Inocentado da acusação
No Senado quanto à acusação de obstrução do Congresso
Placar
  • 53 contrários
  • 47 favoráveis
Resultado Inocentado da acusação

O impeachment de Donald Trump, o 45º presidente dos Estados Unidos, ocorreu em 18 de dezembro de 2019, quando a Câmara dos Representantes aprovou dois artigos de impeachment contra o presidente, acusando-o de abuso de poder e obstrução do Congresso.[1][2] O impeachment do presidente ocorreu após um inquérito conduzido pela Câmara revelar que Trump havia solicitado ajuda da Ucrânia para interferir na eleição presidencial de 2020 de modo a favorecer sua candidatura à reeleição.[3] O inquérito indicou que Trump suspendeu o envio de ajuda militar e um convite para que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky visitasse a Casa Branca de modo a pressioná-lo a anunciar uma investigação sobre Joe Biden, rival político de Trump, bem como promover a desacreditada teoria de que a Ucrânia, e não a Rússia, estava por trás da interferência estrangeira na eleição de 2016.[4][5]

Desde a posse de Trump, em janeiro de 2017, personalidades, políticos e grupos oposicionistas defendiam a abertura de um processo de impeachment contra ele, majoritariamente por conta da interferência russa na eleição presidencial de 2016, na qual foi acusado de estar envolvido.[6][7][8] Nas eleições de 2018, os republicanos mantiveram a maioria no Senado, mas os democratas recuperaram o controle da Câmara.[9] A nova presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, resistiu em iniciar tal processo.[10][11] No entanto, Pelosi anunciou a abertura de um inquérito de impeachment após um delator apresentar uma denúncia contra Trump, na qual alegou que o presidente havia abusado de seu poder.[12]

Após a decisão de Pelosi, iniciou-se imediatamente a fase investigatória, que durou até novembro. Neste período, os deputados realizaram audiências públicas e privadas que colheram depoimentos de testemunhas. Em 10 de dezembro, o Comitê Judiciário relevou os artigos de impeachment contra o presidente Trump: abuso de poder e obstrução do Congresso.[13][14] Ambos os artigos foram aprovados pelo Comitê em 13 de dezembro, seguindo linhas partidárias, e seguiram para votação pelo pleno.[15] Em 18 de dezembro de 2019, a Câmara aprovou os dois artigos, também por linhas partidárias, tornando Trump o terceiro presidente do país a sofrer impeachment.[16]

O processo foi submetido ao Senado, controlado pelo Partido Republicano, ao qual Trump pertencia.[17] Por duas vezes, os senadores republicanos rejeitaram as tentativas de intimar novas testemunhas e documentos.[18][19] Em 5 de fevereiro, Trump foi inocentado pelo Senado de ambas as acusações: por 52 a 48 votos da acusação de abuso de poder e por 53 a 47 da acusação de obstrução do Congresso.[20] Todos senadores democratas e independentes consideraram o presidente culpado. Um único republicano, Mitt Romney, votou a favor da acusação de abuso de poder, tornando-se o primeiro senador dos EUA a votar para condenar um presidente de seu próprio partido em um julgamento de impeachment.[21]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Trump durante o juramento de posse, em 2017

O empresário republicano Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos na eleição de 2016 após derrotar a democrata Hillary Clinton, uma vitória imprevista pela maioria dos analistas, imprensa e políticos.[22] Os esforços para cassar-lhe o mandato começaram antes mesmo da posse, em janeiro de 2017, por pessoas e grupos que afirmavam que Trump havia incorrido em conduta criminosa.[23] Alegava-se que o presidente havia violado a Constituição ao aceitar pagamentos de dignatários estrangeiros,[24] praticado conluio com a Rússia para influenciar indevidamente a eleição presidencial de 2016,[25] obstruído a justiça no decorrer das investigações sobre a interferência russa[26] e associado a presidência ao nacionalismo branco, neo-nazismo e "ódio."[27] Trump refutou as acusações, afirmando ser vítima de um "caça às bruxas" por inimigos políticos inconformadas pela derrota em 2016 e que procuravam deslegitimá-lo.[28][29]

Como o Partido Republicano controlava a Câmara dos Representantes e o Senado em 2017 e 2018, a probabilidade de ocorrer o impeachment de Trump durante esse período era considerada uma fantasia partidária.[30][31] Em dezembro de 2017, uma resolução demandando o impeachment foi rejeitada pela Câmara por 58–364.[32] Nas eleições de 2018, o Partido Democrata obteve maioria na Câmara, e a nova presidente da casa Nancy Pelosi, vista pela ala mais à esquerda como moderada,[33] relutou em aceitar dar início ao impeachment, afirmando considerar tal medida muito divisiva.[34] Conforme relatado pela mídia, Pelosi teria dito durante uma reunião com colegas democratas em 2019 que preferia ver Trump preso e que insistir no impeachment iria ajudá-lo a ser reeleito.[35][36]

Em abril de 2019, com a divulgação do relatório de Robert Mueller, referente à interferência russa na eleição de 2016, as perspectivas para um processo de impeachment de Trump eram remotas.[37] Ainda que as investigações não isentaram o presidente, dentre a liderança democrata ponderou-se que as conclusões do relatório não eram suficientes para iniciar o processo.[38] Os democratas, contudo, continuaram suas investigações através dos comitês da Câmara dos Representantes,[39] convocando audiências com figuras ligadas a Trump[40] e buscando a divulgação de sua declaração de imposto de renda, eis que acreditavam que tais informações poderiam ser negativas ao presidente.[41] Em maio, Pelosi indicou que as ações continuadas de Trump, por ela classificadas como obstrução de justiça e recusa em obedecer as ordens do Congresso, poderiam exigir a abertura de processo de impeachment.[42][43] Ao mesmo tempo, o apoio a tal medida cresceu entre os representantes democratas.[44]

Escândalo envolvendo a Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Trump cumprimentando Barack Obama, ao lado de Joe Biden, em janeiro de 2017

De maio a agosto de 2019, Trump e seu advogado pessoal Rudy Giuliani pressionaram o governo da Ucrânia a investigar Hunter Biden, filho de Joe Biden, um dos principais candidatos à nomeação democrata para a eleição presidencial de 2020.[45][46][47] Ao mesmo tempo, Trump suspendeu uma ajuda militar de US$ 400 milhões à Ucrânia, a qual liberou mais tarde.[48][49] Em meados de setembro de 2019, o caso foi reportado pela imprensa, que relatou que um delator, integrante da comunidade de inteligência norte-americana, apresentou uma denúncia aos seus oficiais superiores relativas a "diversas ações" de Trump, as quais envolvia um líder estrangeiro.[50][51]

Em meados de agosto de 2019, embora tenha identificado que o delator possuía um "viés político discutível" contra Trump,[52] a denúncia foi classificada como "urgente e credível" pelo Inspetor Geral da Comunidade de Inteligência (ICIG), sendo então submetida a Joseph Maguire, diretor de Inteligência Nacional (DNI).[53] Embora a legislação ordene que o DNI deva encaminhar a queixa aos Comitês de Inteligência do Senado e da Câmara, Maguire se recusou a fazê-lo, bem como a Casa Branca e o Departamento de Justiça.[54][53] A negativa levou membros do Senado e da Câmara a exigirem que o executivo compartilhasse a denúncia. No Senado, a resolução demandando o recebimento do material foi apoiada por todos os 100 senadores.[55][56]

Em 22 de setembro, Trump reconheceu que havia falado sobre Joe Biden durante um telefonema com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, na qual teria dito: "não queremos nosso povo, como o vice-presidente Biden e seu filho, criando a corrupção que já existe na Ucrânia."[57] Em 24 de setembro, Trump permitiu a divulgação de um dos telefonemas, no qual o norte-americano pediu um "favor" ao homólogo ucraniano antes de demandar uma investigação sobre Biden e seu filho.[58][59] Apesar das alegações de Trump, não havia evidências de que Hunter ou Joe Biden tivessem cometido alguma irregularidade.[60] Ainda, de acordo com a legislação norte-americana, constitui-se um crime federal concordar ou solicitar a um governo estrangeiro assistência em campanhas eleitorais.[61] No entanto, o Departamento de Justiça, liderado por William Barr (nomeado por Trump), afirmou que não processaria o presidente.[59]

Processo na Câmara dos Representantes[editar | editar código-fonte]

Abertura do inquérito de impeachment[editar | editar código-fonte]

Trump e a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, em maio de 2019.

Na noite de 24 de setembro, Pelosi anunciou a abertura de um inquérito formal para o impeachment de Trump, ordenando que seis comitês da Câmara dos Representantes ficassem encarregados de produzirem o documento, que poderia recomendar a cassação do mandato do presidente. Pelosi acusou Trump de trair seu juramento de posse, a segurança nacional dos Estados Unidos e a integridade das eleições no país,[62][63][64] afirmando que ninguém estava acima da lei.[65][66] A abertura do inquérito foi saudada pelo líder democrata no Senado, Chuck Schumer, e rechaçada pelos líderes republicanos no Congresso, Kevin McCarthy e Mitch McConnell.[67]

Antes da determinação de Pelosi, a Câmara já estava investigando potenciais condutas passíveis de impeachment por Trump.[68][69] Eram encarregados desta função seis comitês, quais sejam, os comitês de Serviços Financeiros, Judiciário, Permanente de Seleção de Inteligência, Assuntos Externos, Supervisão e Reforma e Caminhos e Meios.[70] Com o anúncio da presidente, tais comitês continuariam seus trabalhos em um escopo posteriormente definido pelos representantes.[68][71] As investigações poderiam resultar no Comitê do Judiciário produzindo acusações passíveis de impeachment contra Trump, que então seriam votadas pelo plenário da Câmara. Por maioria simples, os representantes declarariam, ou não, o impedimento. Se aprovado, o processo seguiria para julgamento no Senado.[68][72]

Trump recebeu a decisão de Pelosi com incredulidade. Ainda que temesse sofrer um processo de impeachment desde que os democratas retomaram o controle da Câmara, o presidente acreditou que sua decisão de divulgar o conteúdo do telefonema com Zelensky seria suficiente para acalmar a oposição.[73] No Twitter, afirmou que a abertura do inquérito representava um "caça às bruxas" e "assédio presidencial."[74][75] Em entrevista coletiva, Trump rejeitou as acusações de que teria cometido irregularidades, bem como defendeu a inexistência de quid pro quo.[76]

Inquérito de impeachment[editar | editar código-fonte]

A fase de investigações iniciou imediatamente após Pelosi anunciar sua decisão.[77] Durante o mês de outubro, os comitês de Inteligência, Supervisão e Relações Exteriores colheram testemunhos, incluindo do embaixador Bill Taylor,[78] de Laura Cooper (a principal autoridade do Pentágono responsável por supervisionar a política dos EUA relacionada à Ucrânia)[79] e de Fiona Hill (ex-funcionária da Casa Branca).[80] As testemunhas afirmaram que acreditavam que Trump queria que Zelensky anunciasse publicamente investigações sobre os Biden e a Burisma,[81][82] além de confirmar a teoria propagada pelo presidente de que os ucranianos interferiram na eleição de 2016 a favor de Hillary Clinton – o que foi desmentido pelo serviço de inteligência norte-americano.[83][84] Em 8 de outubro, a Casa Branca informou à Câmara que não iria cooperar com as investigações, alegando como base para tal decisão o fato de que os deputados não haviam aprovado o início do inquérito e que alguns testemunhos estavam ocorrendo sob sigilo.[85][86]

Testemunhos de Fiona Hill e Devid Holmes ao Comitê de Inteligência da Câmara, em novembro de 2019.

Em 29 de outubro, o representante Jim McGovern (D-Massachusetts) apresentou uma resolução (H. Res. 660), encaminhada ao Comitê de Regras, que estabeleceu o "formato de audiências abertas no Comitê de Inteligência da Câmara", o qual incluiu a divulgação das transcrições dos depoimentos.[87][88] Em novembro de 2019, o Comitê de Inteligência realizou várias audiências públicas nas quais testemunhos foram ouvidos publicamente. Em 13 de novembro, Taylor e Kent testemunharam publicamente.[89] Os representantes colheram depoimentos de outras figuras importantes, como da embaixadora Yovanovitch, de Jennifer Williams (conselheira do vice-presidente Mike Pence), de Kurt Volker (representante especial para a Ucrânia), dentre outros.[90]

Em 20 de novembro de 2019, o embaixador dos EUA para a União Europeia, Gordon Sondland, apresentou seu testemunho. Sondland afirmou que conduziu seu trabalho com Giuliani sob "direção expressa do presidente",[91] e entendeu que um potencial convite da Casa Branca para uma visita oficial de Zelensky dependia dos ucranianos anunciarem que investigariam os Biden e as eleições de 2016.[92][93] Sondland disse que não se lembrava de ouvir de Trump que a ajuda militar à Ucrânia estava em jogo, mas admitiu que havia "um claro quid pro quo."[94] Em 21 de novembro, Fiona Hill criticou os republicanos por divulgarem a "narrativa ficcional" de que a Ucrânia, em vez da Rússia, interferiu nas eleições de 2016, afirmando que a teoria foi disseminada pelos próprios russos.[95]

Em 3 de dezembro, o Comitê de Inteligência da Câmara votou por 13 a 9, seguindo as linhas partidárias, para adotar um relatório final e enviá-lo ao Comitê Judiciário da Câmara.[96] O prefácio do relatório afirma:

O inquérito de impeachment descobriu que o presidente Trump, pessoalmente e atuando através de agentes dentro e fora do governo dos EUA, solicitou a interferência de um governo estrangeiro, a Ucrânia, para beneficiar sua reeleição. Para promover esse esquema, o presidente Trump condicionou atos oficiais a um anúncio público a ser realizado pelo novo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, de que iniciaria investigações motivadas politicamente sobre um oponente interno do presidente Trump. Ao pressionar o presidente Zelensky a cumprir sua demanda, o presidente Trump suspendeu a realização de um encontro na Casa Branca que o presidente Zelensky desesperadamente almejava e a crítica assistência militar dos EUA à Ucrânia para combater a agressão russa no leste do país.[97]

Os republicanos que integravam os comitês da Câmara divulgaram um relatório oposicionista no dia anterior, no qual alegavam que as evidências não corroboravam as acusações. O relatório republicano afirmou: "as evidências apresentadas não provam nenhuma dessas alegações democratas, e nenhuma das testemunhas dos democratas testemunhou ter evidências de suborno, extorsão ou qualquer crime ou contravenção."[98][99] Os republicanos também argumentaram que o impulso para o impeachment era motivado apenas politicamente, assertando que "os democratas estão tentando acusar um presidente devidamente eleito com base nas acusações e suposições de burocratas não eleitos que discordam das iniciativas e processos políticos do presidente Trump."[100]

Audiências do Comitê Judiciário[editar | editar código-fonte]

Relatório do Comitê Judiciário da Câmara sobre o processo de impeachment de Trump.

Em 5 de dezembro, a presidente Pelosi autorizou o Comitê Judiciário a começar a redigir artigos de impeachment.[101] Nos Estados Unidos, os "artigos" são o conjunto de acusações formuladas contra um funcionário público para dar início ao processo de impeachment. Nos casos que envolvem o presidente, ou qualquer outro servidor público federal, como os juízes federais, os artigos são redigidos pela Câmara dos Representantes e, se receberem aprovação por maioria simples, são enviados ao Senado para julgamento. O agente só é afastado de seu cargo se o Senado condená-lo, o que requer o aval de dois terços dos senadores.[102]

O Comitê Judiciário realizou uma série de audiências, convidando Trump e seus advogados a participar.[103][104] O governo recusou, pois o presidente tinha programado participar de uma cúpula da OTAN em Londres.[105] O advogado da Casa Branca novamente informou que a administração não ofereceria uma defesa ou participaria do inquérito de impeachment, escrevendo ao presidente Nadler: "Como você sabe, seu inquérito de impeachment é completamente infundado e violou os princípios básicos do devido processo e justiça imparcial."[106] Em resposta, Nadler afirmou: "Demos ao presidente Trump uma oportunidade justa de interrogar testemunhas e apresentar as suas próprias questões para abordar as evidências contundentes diante de nós. Depois de ouvi-lo reclamar do processo de impeachment, esperávamos que ele aceitasse o nosso convite."[107]

Na primeira audiência, realizada em 4 de dezembro, houve uma discussão acadêmica sobre a definição de uma ofensa passível de impeachment. As testemunhas convidadas pelos democratas foram os professores de direito Noah Feldman, de Harvard, Pamela S. Karlan, de Stanford, e Michael Gerhardt, da Universidade da Carolina do Norte. Os republicanos convidaram Jonathan Turley, um estudioso de Direito Constitucional da Universidade George Washington;[108][109] Turley, que testemunhou a favor do impeachment do presidente Bill Clinton em 1999,[110] defendeu sua contrariedade ao impeachment de Trump, citando faltarem evidências para tanto.[111]

Artigos de impeachment[editar | editar código-fonte]

A Resolução 755, relativa aos artigos de impeachment contra Trump.

Na manhã de 10 de dezembro, os democratas no Comitê Judiciário da Câmara anunciaram que apresentariam dois artigos de impeachment, designados H. Res. 755: (1) abuso de poder e (2) obstrução do Congresso,[112] ambos relacionados à conduta de Trump no escândalo com a Ucrânia.[113] O rascunho do texto dos artigos foi divulgado mais tarde naquele dia,[114] bem como um relatório do Comitê Judiciário descrevendo a questão constitucional ligada ao processo, argumentando que "o impeachment faz parte da governança democrática."[115] Em 13 de dezembro, o comitê aprovou ambos os artigos por 23 a 17; todos os democratas presentes votaram a favor e todos os republicanos presentes votaram contra. Os artigos então foram encaminhados ao pleno da Câmara.[116]

O Comitê Judiciário da Câmara divulgou um relatório de 658 páginas sobre os artigos de impeachment em 16 de dezembro, especificando supostos subornos criminosos e fraudes praticados por Trump como parte do artigo sobre abuso de poder.[117] O resultado no Comitê foi o seguinte:[116]

Votação no Comitê Judiciário sobre a Resolução da Câmara de nº 755
Artigo I
(abuso de poder)
Artigo II
(obstrução do Congresso)
Sim Não Ausente Sim Não Ausente
Democrata 23 0 1 Democrata 23 0 1
Republicano 0 17 0 Republicano 0 17 0
Total 23 17 1 Total 23 17 1
Submetido ao pleno Submetido ao pleno

Votação pelo pleno[editar | editar código-fonte]

Pelosi anunciando os resultados da votação do impeachment de Trump.

Em 17 de dezembro, o Comitê de Regras realizou uma audiência para determinar as regras que regeriam o debate sobre o impeachment.[118] A primeira votação, de um total de três, abordou as regras do debate, resultando em uma votação de 228 a 197, com todos os republicanos e dois democratas votando contra.[119] Imediatamente após, seguiu-se um debate de seis horas. Um dos destaques da discussão ocorreu quando o representante Barry Loudermilk (R-Geórgia) comparou o inquérito de impeachment do presidente Trump ao julgamento de Jesus Cristo, dizendo que o salvador cristão foi tratado muito melhor pelas autoridades.[120]

A votação na Câmara dos Representantes ocorreu em 18 de dezembro de 2019.[121] Pouco depois das 20h30min EST, ambos os artigos de impeachment haviam sido aprovados.[122] A votação sobre a acusação de abuso de poder terminou em 230 a favor, 197 contra e 1 presente; todos os democratas da Câmara votaram a favor, exceto Collin Peterson e Jeff Van Drew, que votaram contra, e Tulsi Gabbard, que votou "presente"; odos os republicanos da Câmara votaram contra, embora o ex-republicano que se tornou o independente Justin Amash tenha votado a favor dos dois artigos.[123] A votação sobre a acusação de obstrução do Congresso terminou em 229 a favor, 198 contra e 1 presente; todos os democratas votaram a favor, exceto Peterson, Van Drew e Jared Golden, que votaram contra; Gabbard, novamente, votou "presente."[124]

Resultados da votação sobre a Resolução da Câmara de nº 755
(Artigos de Impeachment Contra Donald John Trump , Presidente dos Estados Unidos, por Crime de responsabilidade)
Artigo I[125]
(abuso de poder)
Artigo II[126]
(obstrução do Congresso)
Sim Não Presente Ausente Sim Não Presente Ausente
Democrata 229 2 1 1 Democrata 228 3 1 1
Republicano 0 195 0 2 Republicano 0 195 0 2
Independente 1 0 0 0 Independente 1 000 0 0
Total 230 197 1 3 Total 229 198 1 3
Adotado Adotado

Desta forma, Donald Trump se tornou o terceiro presidente norte-americano a sofrer o impeachment pela Câmara dos Representantes.[127] Apenas Andrew Johnson (1868) e Bill Clinton (1999) foram impedidos pela Câmara, mas ambos foram absolvidos pelo Senado. Outro presidente, Richard Nixon (1974), renunciou durante as investigações preliminares, precisamente após os artigos serem aprovados pelo Comitê da Câmara.[128][129][130]

Repercussão imediata[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte ao impeachment de Trump, a revista evangélica Christianity Today publicou um editorial pedindo que Trump fosse removido da presidência, afirmando que o presidente "tentou usar seu poder político para coagir um líder estrangeiro a assediar e desacreditar um de seus oponentes políticos. Isso não é apenas uma violação da Constituição; mais importante, é profundamente imoral."[131] Trump por sua vez questionou a validade do impeachment, citando Noah Feldman, professor de direito de Harvard, que argumentou que o impeachment tecnicamente não ocorreu até os artigos serem entregues ao Senado.[132] O presidente twittou ou retweetou mais de 20 mensagens criticando a forma como Pelosi conduziu o processo durante a primeira semana de suas férias em Mar-a-Lago.[133] No dia do Natal, Trump twittou:

Por que a louca Nancy Pelosi, apenas por ter uma pequena maioria na Câmara, pode buscar o impeachment contra o presidente dos Estados Unidos? Obteve ZERO votos republicanos, não houve crime, a ligação com a Ucrânia foi perfeita, sem "pressão". Ela disse que deve ser "bipartidário e avassalador", mas essa fraude de impeachment não foi. Além disso, é muito injusto, sem o devido processo legal, representação adequada ou testemunhas. Agora Pelosi está exigindo tudo o que os republicanos não tinham permissão para ter na Câmara. Os democratas querem dirigir o Senado de maioria republicana. Hipócritas![134]

Impasse e votação final[editar | editar código-fonte]

Cartaz exibido por participante da Marcha das Mulheres, em janeiro de 2020, em que se lê: "Julgamentos justos possuem testemunhas, Mitch!"

Antes da Câmara votar pelo impeachment, tanto McConnell quanto a presidente do Comitê Judiciário do Senado, Lindsey Graham, expressaram suas intenções de não serem jurados imparciais, ao contrário do juramento que deveriam prestar.[135] McConnell afirmou: "eu não sou um jurado imparcial. Este é um processo político. Não há nada judicial nisso. O impeachment é uma decisão política."[136] Já Graham declarou: "estou tentando dar um sinal bem claro de que já me decidi. Não estou tentando fingir ser um jurado isento aqui... farei tudo o que puder para fazer esse julgamento morrer rapidamente."[137]

Em 15 de dezembro, o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer, escreveu uma carta a McConnell pedindo o testemunho de Mick Mulvaney, Robert Blair, John Bolton e Michael Duffey. Todos os senadores democratas aprovaram a solicitação.[138] Dois dias depois, McConnell rejeitou a convocação de testemunhas, dizendo que o papel do Senado era o de simplesmente agir como "juiz e júri", não para ajudar no processo de impeachment, sugerindo que as testemunhas fossem chamadas durante o julgamento, como aconteceu no processo de impeachment de Clinton.[139]

Em 18 de dezembro, Pelosi se recusou a comentar quando a resolução do impeachment seria transmitida ao Senado, dizendo: "até agora não vimos nada que nos pareça justo."[140] Com a continuação do impasse, senadores republicanos passaram a defender a ideia de que o julgamento deveria iniciar no Senado mesmo sem a transmissão oficial dos artigos de impeachment pela Câmara.[141][142] Pelosi acabou cedendo e anunciando a votação sobre o envio dos artigos ao Senado, bem como os deputados democratas que conduziriam a acusação no Senado, sob a liderança de Adam Schiff.[143][144] Em 15 de janeiro, a Câmara aprovou o envio dos artigos para julgamento no Senado, por 228 votos a 193.[145]

Julgamento pelo Senado[editar | editar código-fonte]

O senador Chuck Grassley administrando o juramento de posse do chefe de Justiça, John Roberts.

Preparação[editar | editar código-fonte]

Enquanto o inquérito de impeachment estava em andamento, McConnell começou a planejar um possível julgamento. Em 8 de outubro de 2019, liderou uma reunião sobre o assunto, aconselhando seu comitê a dizer que eles se opunham ao processo da Câmara e o mínimo possível.[146] Em novembro, descartou a ideia de que os artigos do impeachment deveriam ser descartados, dizendo: "as regras do impeachment são muito claras, teremos que fazer um julgamento."[147] Em 2 de dezembro, quando os artigos estavam sendo analisados pelo Comitê Judiciário da Câmara, McConnell se reuniu com o advogado da Casa Branca Pat Cipollone e o diretor de Assuntos Legislativos Eric Ueland.[148] No mesmo dia, McConnell declarou que "estou coordenando com os advogados da Casa Branca tudo o que faço durante este processo. Não haverá diferença entre a posição do presidente e a nossa" e que seguiria as sugestões dos advogados do presidente.[148] McConnell acrescentou que a coordenação com a Casa Branca também se refere à possibilidade de convocação de testemunhas, e disse a Sean Hannity, da Fox News, que não havia chance de Trump ser condenado, expressando sua esperança de que todos os republicanos do Senado absolvessem o presidente de ambas as acusações.[149][150]

Encarregados[editar | editar código-fonte]

A Constituição dos Estados Unidos estabelece o chefe de Justiça da Suprema Corte como responsável por presidir os processos de impeachment. O chefe de Justiça John Roberts, indicado para o cargo por George W. Bush em 2005, foi empossado nesta posição.[151] Pelosi indicou a equipe de acusação, formada pelos deputados Adam Schiff (D-CA), como líder, além de Jerry Nadler (D-NY), Zoe Lofgren (D-CA), Hakeem Jeffries (D-NY) e Val Demings (D-FL), Jason Crow (D-CO) e Sylvia Garcia (D-TX).[152] Trump nomeou uma equipe de defesa liderada pelo advogado da Casa Branca Pat Cipollone e seu advogado particular Jay Sekulow, que anteriormente representou Trump na investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições norte-americanas.[153]

Processo[editar | editar código-fonte]

Sessão do julgamento do processo de impeachment de Trump sendo conduzida por Roberts, em 16 de janeiro de 2020.

O Artigo I, Seção 3, Cláusula 6 da Constituição dos Estados Unidos estabeleceu que "o Senado terá o poder único de julgar todos os impeachments."[154] De acordo com as regras de impeachment do Senado adotadas em 1986, o envio dos artigos ao Senado marca o início do julgamento.[155][156] Os artigos foram entregues formalmente em 15 de janeiro de 2020 e apresentados no dia seguinte.[157]

No final da sessão de 21 de janeiro, o Senado votou, seguindo as linhas partidárias, para aprovar as regras de julgamento propostas por McConnell e rejeitar onze emendas propostas pelos democratas.[158] McConnell declarou que desejava seguir as regras estabelecidas em 1999, para o julgamento de Clinton, que previam o turno da manhã reservado para tratar os assuntos do Senado e o turno da tarde reservado para o julgamento,[159] mas sua resolução amentou de 6 para 8 horas o tempo destinado diariamente para os argumentos iniciais.[160] A resolução também incluiu disposições para uma votação sobre a intimação de testemunhas ou documentos após os argumentos iniciais.[158][161]

Os argumentos iniciais da acusação e a apresentação de evidências ocorreram entre 22 e 24 de janeiro.[162][163] A acusação buscou argumentar que as ações de Trump eram corruptas o suficiente para justificar seu afastamento do cargo.[164] No primeiro dia, Schiff declarou aos senadores: "a má conduta do presidente não pode ser decidida nas urnas porque não podemos ter certeza de que a votação será razoavelmente ganha."[165] Schiff classificou as ações de Trump como quid pro quo[166] e Nadler o taxou de ditador, declarando que "o presidente se declarou acima da lei. Ele o fez porque é culpado."[167]

A apresentação dos argumentos da defesa de Trump começou em 25 de janeiro. Os principais argumentos foram a falta de evidências diretas de irregularidades e que os democratas estavam tentando usar o impeachment para roubar as eleições de 2020.[168] O professor Alan Dershowitz argumentou que, embora um presidente possa sofrer impeachment por cometer um ato criminoso, independentemente do motivo, a ideia de um quid pro quo como sendo uma base para a remoção do cargo exige que o quo seja algo ilegal, e que simplesmente ter outros motivos para solicitar um ato legal (uma investigação sobre suposta corrupção) não seria motivo suficiente para o impeachment.[169]

Em 31 de janeiro, após uma sessão de debates, o Senado votou contra a possibilidade de intimação de testemunhas ou documentos em uma votação de 51-49.[170] 51 senadores republicanos votaram contra a convocação de testemunhas, enquanto 45 senadores democratas, dois independentes que normalmente votam com os democratas e dois republicanos (Mitt Romney e Susan Collins) votaram a favor.[171]

Absolvição[editar | editar código-fonte]

Impeachment de Donald Trump Ambas as acusações da Câmara são constitucionalmente incoerentes
[...]
Isso [as acusações] nem sequer se aproxima como motivo para a primeira remoção de um presidente na história americana.
Impeachment de Donald Trump

Mitch McConnell (R-KY), líder da maioria[172]

Impeachment de Donald Trump Corromper uma eleição para se manter no poder talvez seja a violação mais abusiva e destrutiva do juramento ao cargo de alguém que eu possa imaginar. Impeachment de Donald Trump

Mitt Romney (R-UT), senador e ex-candidato a presidente[173]

De acordo com a Constituição dos Estados Unidos, era necessária uma maioria de dois terços do Senado para condenar o presidente. As possíveis penalidades eram seu afastamento da presidência e a inabilitação para ocupar outros cargos futuramente.[174][175] Em 5 de fevereiro de 2020, o Senado absolveu Trump de ambas as acusações. Na primeira delas, de abuso de poder, 52 senadores votaram contra a condenação, enquanto 48 votaram a favor. Na segunda, de obstrução do Congresso, 53 foram contrários e 47 favoráveis à condenação. Os votos foram nitidamente divididos ao longo das linhas partidárias. Todos os democratas, e os senadores independentes alinhados aos democratas, consideraram o presidente culpado de ambas as acusações.[176] Apenas um republicano, Mitt Romney, votou para condenar Trump por abuso de poder, fazendo dele o único senador, na história do país, a votar para condenar um presidente de seu próprio partido político em um julgamento de impeachment.[177][178]

Julgamento dos artigos de impeachment pelo Senado
(necessário o voto de 67 senadores para condenar Trump)
Artigo I
(Abuso de poder)
Partido Votos totais
Democrata Republicano Independente
Sim (culpado) 45 01 02 48
Não (inocente)  Black check.svg 00 52 00 52
Artigo II
(Obstrução do Congresso)
Partido Votos totais
Democrata Republicano Independente
Sim (culpado) 45 00 02 47
Não (inocente)  Black check.svg 00 53 00 53
Votação por senador
Senador Estado e partido Votação do Artigo I Votação do Artigo II
Jones, DougDoug Jones D–AL Culpado Culpado
Shelby, RichardRichard Shelby R–AL Inocente Inocente
Sullivan, DanDan Sullivan R–AK Inocente Inocente
Murkowski, LisaLisa Murkowski R–AK Inocente Inocente
Sinema, KyrstenKyrsten Sinema D–AZ Culpado Culpado
McSally, MarthaMartha McSally R–AZ Inocente Inocente
Cotton, TomTom Cotton R–AR Inocente Inocente
Boozman, JohnJohn Boozman R–AR Inocente Inocente
Feinstein, DianneDianne Feinstein D–CA Culpado Culpado
Harris, KamalaKamala Harris D–CA Culpado Culpado
Gardner, CoryCory Gardner R–CO Inocente Inocente
Bennet, MichaelMichael Bennet D–CO Culpado Culpado
Murphy, ChrisChris Murphy D–CT Culpado Culpado
Blumenthal, RichardRichard Blumenthal D–CT Culpado Culpado
Carper, TomTom Carper D–DE Culpado Culpado
Coons, ChrisChris Coons D–DE Culpado Culpado
Scott, RickRick Scott R–FL Inocente Inocente
Rubio, MarcoMarco Rubio R–FL Inocente Inocente
Perdue, DavidDavid Perdue R–GA Inocente Inocente
Loeffler, KellyKelly Loeffler R–GA Inocente Inocente
Hirono, MazieMazie Hirono D–HI Culpado Culpado
Schatz, BrianBrian Schatz D–HI Culpado Culpado
Risch, JimJim Risch R–ID Inocente Inocente
Crapo, MikeMike Crapo R–ID Inocente Inocente
Durbin, DickDick Durbin D–IL Culpado Culpado
Duckworth, TammyTammy Duckworth D–IL Culpado Culpado
Braun, MikeMike Braun R–IN Inocente Inocente
Young, ToddTodd Young R–IN Inocente Inocente
Ernst, JoniJoni Ernst R–IA Inocente Inocente
Grassley, ChuckChuck Grassley R–IA Inocente Inocente
Roberts, PatPat Roberts R–KS Inocente Inocente
Moran, JerryJerry Moran R–KS Inocente Inocente
McConnell, MitchMitch McConnell R–KY Inocente Inocente
Paul, RandRand Paul R–KY Inocente Inocente
Cassidy, BillBill Cassidy R–LA Inocente Inocente
Kennedy, JohnJohn Kennedy R–LA Inocente Inocente
King, AngusAngus King I–ME Culpado Culpado
Collins, SusanSusan Collins R–ME Inocente Inocente
Cardin, BenBen Cardin D–MD Culpado Culpado
Van Hollen, ChrisChris Van Hollen D–MD Culpado Culpado
Warren, ElizabethElizabeth Warren D–MA Culpado Culpado
Markey, EdEd Markey D–MA Culpado Culpado
Stabenow, DebbieDebbie Stabenow D–MI Culpado Culpado
Peters, GaryGary Peters D–MI Culpado Culpado
Klobuchar, AmyAmy Klobuchar D–MN Culpado Culpado
Smith, TinaTina Smith D–MN Culpado Culpado
Wicker, RogerRoger Wicker R–MS Inocente Inocente
Hyde-Smith, CindyCindy Hyde-Smith R–MS Inocente Inocente
Hawley, JoshJosh Hawley R–MO Inocente Inocente
Blunt, RoyRoy Blunt R–MO Inocente Inocente
Tester, JonJon Tester D–MT Culpado Culpado
Daines, SteveSteve Daines R–MT Inocente Inocente
Fischer, DebDeb Fischer R–NE Inocente Inocente
Sasse, BenBen Sasse R–NE Inocente Inocente
Rosen, JackyJacky Rosen D–NV Culpado Culpado
Cortez Masto, CatherineCatherine Cortez Masto D–NV Culpado Culpado
Shaheen, JeanneJeanne Shaheen D–NH Culpado Culpado
Hassan, MaggieMaggie Hassan D–NH Culpado Culpado
Menendez, BobBob Menendez D–NJ Culpado Culpado
Booker, CoryCory Booker D–NJ Culpado Culpado
Heinrich, MartinMartin Heinrich D–NM Culpado Culpado
Udall, TomTom Udall D–NM Culpado Culpado
Gillibrand, KirstenKirsten Gillibrand D–NY Culpado Culpado
Schumer, ChuckChuck Schumer D–NY Culpado Culpado
Tillis, ThomThom Tillis R–NC Inocente Inocente
Burr, RichardRichard Burr R–NC Inocente Inocente
Cramer, KevinKevin Cramer R–ND Inocente Inocente
Hoeven, JohnJohn Hoeven R–ND Inocente Inocente
Brown, SherrodSherrod Brown D–OH Culpado Culpado
Portman, RobRob Portman R–OH Inocente Inocente
Inhofe, JimJim Inhofe R–OK Inocente Inocente
Lankford, JamesJames Lankford R–OK Inocente Inocente
Merkley, JeffJeff Merkley D–OR Culpado Culpado
Wyden, RonRon Wyden D–OR Culpado Culpado
Casey Jr., BobBob Casey Jr. D–PA Culpado Culpado
Toomey, PatPat Toomey R–PA Inocente Inocente
Whitehouse, SheldonSheldon Whitehouse D–RI Culpado Culpado
Reed, JackJack Reed D–RI Culpado Culpado
Graham, LindseyLindsey Graham R–SC Inocente Inocente
Scott, TimTim Scott R–SC Inocente Inocente
Rounds, MikeMike Rounds R–SD Inocente Inocente
Thune, JohnJohn Thune R–SD Inocente Inocente
Blackburn, MarshaMarsha Blackburn R–TN Inocente Inocente
Alexander, LamarLamar Alexander R–TN Inocente Inocente
Cruz, TedTed Cruz R–TX Inocente Inocente
Cornyn, JohnJohn Cornyn R–TX Inocente Inocente
Romney, MittMitt Romney R–UT Culpado Inocente
Lee, MikeMike Lee R–UT Inocente Inocente
Sanders, BernieBernie Sanders I–VT Culpado Culpado
Leahy, PatrickPatrick Leahy D–VT Culpado Culpado
Kaine, TimTim Kaine D–VA Culpado Culpado
Warner, MarkMark Warner D–VA Culpado Culpado
Cantwell, MariaMaria Cantwell D–WA Culpado Culpado
Murray, PattyPatty Murray D–WA Culpado Culpado
Manchin, JoeJoe Manchin D–WV Culpado Culpado
Moore Capito, ShelleyShelley Moore Capito R–WV Inocente Inocente
Baldwin, TammyTammy Baldwin D–WI Culpado Culpado
Johnson, RonRon Johnson R–WI Inocente Inocente
Barrasso, JohnJohn Barrasso R–WY Inocente Inocente
Enzi, MikeMike Enzi R–WY Inocente Inocente

Fontes: [179][180][181]

Opinião pública[editar | editar código-fonte]

Em meados de setembro de 2019, no rescaldo do escândalo envolvendo Trump e a Ucrânia, diversas pesquisas de opinião mostravam que a maioria dos americanos apoiava o início do processo de impeachment do presidente, ainda que não apoiassem necessariamente o impeachment por si só.[182][183] Segundo pesquisa do YouGov, quando perguntados se caso fosse confirmado que, de fato, Trump pressionou o governo ucraniano para seu benefício político, cerca de 55% dos entrevistados se mostraram favoráveis ao impeachment, enquanto 26% afirmaram que continuariam a se opor.[184]

Em meados de dezembro, um levantamento conduzido pela CNN mostrou que o apoio para a remoção do presidente do cargo havia caído. Segundo a pesquisa, cerca de 45% dos entrevistados ainda apoiavam o impeachment, enquanto 48% afirmavam se opor.[185] Essa tendência foi confirmada por outra sondagem, feita pela empresa Gallup, que mostrou que, quando o impeachment foi aprovado pela Câmara, o índice de aprovação do governo Trump havia subido 6 pontos (para 45%), com 51% dos americanos se posicionando contrariamente à remoção do presidente do cargo (perto de 46% ainda se mostravam a favor disso). Em linhas partidárias, 85% dos eleitores democratas e apenas 5% dos eleitores republicanos concordavam com o impeachment.[186] Uma das principais bases de apoio de Trump provinha dos evangélicos protestantes, sendo que em outubro de 2019 uma pesquisa mostrou que quase 99% dos evangélicos republicanos brancos se opunham ao impeachment do presidente.[187]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Câmara aprova impeachment de Trump por obstrução ao Congresso». Agência France-Presse. Correio Braziliense. 18 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  2. Bart Jansen, Maureen Groppe e Ledyard King (18 de dezembro de 2019). «House impeaches President Trump in historic vote, setting the stage for Senate trial». USA Today. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  3. Bart Jansen e Christal Hayes (3 de dezembro de 2019). «House Democrats' report on the impeachment inquiry finds Trump has solicited foreign interference in the 2020 election». USA Today. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  4. «Trump impeachment: The short, medium and long story». BBC. 19 de dezembro de 2019. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  5. Zachary B. Wolf e Sean O'Key (3 de dezembro de 2019). «The Trump-Ukraine impeachment inquiry report, annotated». CNN. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  6. Emily Jane Fox (15 de dezembro de 2016). «Democrats Are Paving the Way to Impeach Donald Trump». Vanity Fair. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  7. Matea Gold (20 de janeiro de 2017). «The campaign to impeach President Trump has begun». The Washington Post. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  8. Breno Salvador, Camila Zarur e Henrique Gomes Batista (17 de janeiro de 2018). «Quais as chances de Trump sofrer impeachment? Entenda o processo». O Globo. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  9. Denise Chrispim Marin (7 de novembro de 2018). «Donald Trump perde maioria na Câmara para oposição democrata». Veja. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  10. Gregg Re (7 de novembro de 2018). «Dems to flex muscle with new House majority: Subpoenas, investigations, even possible impeachment talks loom». Fox News. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  11. Molly Ball (14 de março de 2019). «Nancy Pelosi Doesn't Want to Talk About Impeachment. The Democrats May Not Be Able to Resist It». Time. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  12. Nicholas Fandos (24 de setembro de 2019). «Nancy Pelosi Announces Formal Impeachment Inquiry of Trump». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  13. Meg Wagner (10 de dezembro de 2019). «Articles of impeachment against Trump unveiled». CNN. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  14. «Impeachment: Democratas apresentam acusações de abuso de poder e obstrução do Congresso contra Trump». G1. 10 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  15. «Comitê da Câmara aprova denúncias formais que serão votadas em impeachment de Trump». G1. 13 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  16. Marina Dias (18 de dezembro de 2019). «Câmara dos EUA aprova impeachment de Trump, e caso vai para o Senado». Folha de S. Paulo. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  17. «Processo de impeachment contra Trump chega ao Senado americano». O Estado de S. Paulo. 15 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  18. «Senate rejects new witnesses in Trump impeachment trial, paving the way for acquittal». CBS News. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  19. «Senate approves impeachment trial rules, rejecting witnesses». Associated Press. CNBC. 22 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  20. «How senators voted on Trump's impeachment». Associated Press. Politico. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  21. Chris Cillizza (7 de fevereiro de 2020). «Mitt Romney is now the head of the new old GOP». Associated Press. CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  22. «World media shock and dismay at Trump win». BBC. 9 de novembro de 2016. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  23. Zephyr Teachout (17 de novembro de 2016). «Trump's Foreign Business Ties May Violate the Constitution». The New York Times. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  24. John Nichols (5 de setembro de 2019). «'I Think We Need to Just Impeach the Guy'». The Nation. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  25. Martin Pengelly (21 de julho de 2019). «Nadler: Mueller has evidence of Trump high crimes and misdemeanours». The Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  26. Garrett M. Graff (4 de abril de 2019). «Mueller Report Fallout Pressures Democrats to Impeach Trump». Wired. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  27. Scott Detrow (6 de dezembro de 2017). «Democrat Pushes Vote On Trump Impeachment. It Didn't Succeed». National Public Radio. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  28. Brett Samuels (22 de abril de 2019). «Trump pushes back on impeachment talk: 'Tables are finally turning on the Witch Hunt!'». The Hill. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  29. Eli Watkins (11 de janeiro de 2018). «Some of the times Trump has called Russia probe a 'witch hunt'». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  30. Philip Bump (14 de julho de 2017). «No matter how bad it gets for him, here's why Trump isn't getting impeached this year [analysis]». The Washington Post. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  31. Alexander Burns (11 de outubro de 2017). «Pledge to Impeach Trump, a Key Donor Demands of Democrats». The New York Times. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  32. Mike DeBonis (6 de dezembro de 2017). «House votes to kill Texas lawmaker's Trump impeachment effort». The Washington Post. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  33. César Avó (3 de janeiro de 2017). «Começa o cerco a Trump. E quem o lidera é uma mulher de 78 anos». Diário de Notícias. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  34. «Impeachment de Trump traria muita divisão aos EUA, diz Pelosi». Reuters. Exame. 11 de março de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  35. Sabrina Siddiqui (6 de junho de 2017). «Nancy Pelosi tells Democrats: I want Trump 'in prison' but not impeached». The Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  36. Eric Lutz (6 de junho de 2019). «NANCY PELOSI DOESN'T WANT TRUMP IMPEACHED: "I WANT TO SEE HIM IN PRISON"». Vanity Fair. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  37. «Trump celebra audiência de Mueller como 'desastre' para democratas». Veja. 25 de julho de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  38. Sarah N. Lynch (21 de julho de 2019). «Relatório Mueller mostra evidência de que Trump cometeu crimes, diz presidente do Comitê Judiciário da Casa». Reuters. Terra. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  39. Lindsey McPherson (22 de abril de 2019). «House Democrats start following Mueller's leads as they investigate Trump». Roll Call. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  40. Grace Segers (17 de setembro de 2019). «Lewandowski sidesteps questions about Mueller report at House impeachment hearing». CBS News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  41. Hunter DeRensis (4 de abril de 2019). «Why Democrats Keep Targeting Trump's Tax Returns». The National Interest. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  42. «Trump lashes out of US House's Pelosi 'cover-up' accusation». Reuters. China Daily. 23 de maio de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  43. «Pelosi acusa Trump de obstruir justiça e avalia pedido de impeachment». Efe. Uol. 9 de maio de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  44. Zachary B. Wolf (3 de agosto de 2019). «Democrats reach impeachment milestone Nancy Pelosi can't ignore. Now what?». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  45. Jonathan Lemire, Michael Balsamo e Lisa Mascaro (20 de setembro de 2019). «Trump, in call, urged Ukraine to investigate Biden's son». Associated Press. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  46. Clara Barata (25 de setembro de 2019). «Trump pediu mesmo ao Presidente ucraniano que investigasse Biden». Público. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  47. Gordon Ahl, Mikhaila Fogel, Jacob Schulz e Masha Simonova (24 de setembro de 2019). «A Timeline of the Trump-Ukraine Scandal». Lawfare. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  48. «Trump congelou ajuda finaneira à Ucrânia antes de falar com Zelensky». Agência Lusa. Observador. 24 de setembro de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  49. Diogo Camilo (24 de setembro de 2019). «Trump segurou 400 milhões de ajuda militar à Ucrânia dias antes de telefonema polémico». Sábado. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  50. Andrew Prokop (19 de setembro de 2019). «What we know about the whistleblower complaint about President Trump». Vox. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  51. Meg Wagner, Mike Hayes e Veronica Rocha (19 de setembro de 2019). «The latest on the Trump whistleblower mystery». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  52. Mairead MCardle (25 de setembro de 2019). «Intel IG Found Whistleblower Has 'Arguable Political Bias' against Trump, But Complaint Is Still 'Credible'». National Review. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  53. a b John Bowden (21 de setembro de 2019). «Timeline: The Trump whistleblower complaint». The Hill. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  54. Sean Collins (25 de setembro de 2019). «The White House will release a redacted version of the whistleblower's complaint after all». Vox. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  55. Rebecca Shabad (23 de setembro de 2019). «Impeachment pressure escalates as Democrats demand release of whistleblower's Trump complaint». ABC News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  56. «Senate votes 100-0 to release Trump whistleblower complaint». The Week. 24 de setembro de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  57. Peter Baker (22 de setembro de 2019). «Trump Acknowledges Discussing Biden in Call With Ukrainian Leader». The New York Times. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  58. «Transcrição mostra que Trump pediu ajuda à Ucrânia para investigar Biden». Terra. 25 de setembro de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  59. a b Ryan Lucas (25 de setembro de 2019). «Trump Asked Ukrainian President For 'A Favor' On Biden; DOJ Says No Charges». National Public Radio. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  60. Jane C. Timm (25 de setembro de 2019). «There's no evidence for Trump's Biden-Ukraine accusations. What really happened?». NBC News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  61. Sam Dorman (24 de setembro de 2019). «Judge Napolitano: Trump has admitted committing crime in talks with Ukraine». Fox News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  62. Rachael Bade e Mike DeBonis (24 de setembro de 2019). «Pelosi announces impeachment inquiry, says Trump's courting of foreign political help is a 'betrayal of national security'». The Washington Post. Consultado em 25 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  63. Nicholas Fandos (24 de setembro de 2019). «Nancy Pelosi Announces Formal Impeachment Inquiry of Trump». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  64. Heidi Przybyla e Adam Edelman (24 de setembro de 2019). «Nancy Pelosi announces formal impeachment inquiry of Trump». NBC News. Consultado em 24 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  65. Chris Cillizza (24 de setembro de 2019). «12 words that just fundamentally changed Washington». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  66. «Read Nancy Pelosi's full remarks as she called for an impeachment inquiry of President Trump». USA Today. 24 de setembro de 2019. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  67. Heidi Przybyla e Adam Edelman (24 de setembro de 2019). «Nancy Pelosi announces formal impeachment inquiry of Trump». NBC News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  68. a b c Tom McCarthy (24 de setembro de 2019). «Impeachment: how does it work and what happens next?». The Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  69. Ella Nilsen, Li Zhou e Matthew Yglesias (25 de setembro de 2019). «9 things everyone should know about the impeachment process». Fox. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  70. Lindsey McPherson (24 de setembro de 2019). «Pelosi announces formal impeachment inquiry, but leaves some questions». Roll Call. Consultado em 25 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2019 
  71. Manu Raju e Haley Byrd (25 de setembro de 2019). «Pelosi wants narrow inquiry as caucus debates scope of impeachment resolution». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  72. Charlie Savage (24 de setembro de 2019). «Entenda como funciona o processo de impeachment que pode atingir Trump nos EUA». The New York Times. O Globo. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  73. Kaitlan Collins e Jim Acosta (25 de setembro de 2019). «Trump incredulous after his moves on transparency failed to stop Pelosi». CNN. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  74. Kevin Breuninger (24 de setembro de 2019). «Trump slams Pelosi impeachment probe: 'PRESIDENTIAL HARASSMENT!'». CNBC News. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  75. David Smith (25 de setembro de 2019). «Trump allies pounce on impeachment inquiry to bolster president». The Guardian. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  76. Rachel Sandler (25 de setembro de 2019). «3 Key Moments From Trump's Press Conference Defending His Ukraine Phone Call». Forbes. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  77. Domenico Montanaro e Susan Davis (24 de setembro de 2019). «Pelosi Announces Formal Impeachment Inquiry Into President Trump». National Public Radio. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  78. Stefan Becket, Arden Farhi e Kathryn Watson (23 de outubro de 2019). «Top diplomat tells lawmakers Ukraine aid was directly tied to investigations». CBS News. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  79. Alex Moe e Rebecca Shabad (23 de outubro de 2019). «Laura Cooper, Pentagon official overseeing Ukraine, testifies in impeachment inquiry after GOP delay». NBC News. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  80. Karoun Demirjian, Shane Harris e Rachael Bade (15 de outubro de 2019). «Trump's ex-Russia adviser told impeachment investigators of Giuliani's efforts in Ukraine». The Washington Post. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  81. Andrew E. Kramer (7 de novembro de 2019). «Ukraine's Zelensky Bowed to Trump's Demands, Until Luck Spared Him». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  82. Andrew E. Kramer (24 de outubro de 2019). «The Cost of Trump's Aid Freeze in the Trenches of Ukraine's War». The New York Times. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  83. Anne Gearan, Karoun Demirjan, Mike DeBonis e Rachel Bade (22 de outubro de 2019). «Trump made Ukraine aid contingent on public pledge to investigate Bidens and 2016 election, U.S. envoy says he was told». The Washington Post. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  84. Robert Mackey (23 de outubro de 2019). «Trump Pressed Ukraine's President to Act Out a Fake News Script, Live on CNN». The Intercept. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  85. «White House 'will not co-operate with impeachment inquiry'». BBC News. 9 de outubro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  86. Aaron Blake (9 de outubro de 2019). «The White House's scathing and legally dubious impeachment letter, annotated». The Washington Post News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  87. «Four Chairs Statement on Resolution for Open Hearings on Trump's Abuse of Power». U.S. House of Representatives, Committee of Foreign Affairs. 29 de outubro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  88. Grace Segers, Kahtyn Watson, Emily Tillet e Stefan Becket (30 de outubro de 2019). «House Democrats unveil impeachment resolution». CBS News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  89. Karoun Demirjian (13 de novembro de 2019). «Impeachment hearings begin with new evidence of phone call implicating Trump in Ukraine controversy». The Washington Post. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  90. «Trump Impeachment Inquiry, Day 4: Watch the Live Stream of the House Intelligence Committee's Open Hearings». The New Yorker. 20 de novembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  91. Adam Edelman (20 de novembro de 2019). «7 things we learned from Gordon Sondland's impeachment testimony». NBC News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  92. «EU envoy implicates Trump in Ukraine coercion — as it happened». Financial Times. 20 de novembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  93. Peter Baker e Michael S. Schmidt (20 de novembro de 2019). «Impeachment Hearing Live Updates: Gordon Sondland Ties Trump to Ukraine Pressure Campaign». The New York Times. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  94. Mariana Sanches (20 de novembro de 2019). «Impeachment de Trump: por que depoimento de embaixador é o mais comprometedor até agora». BBC. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  95. «Republicanos acreditaram em 'ficção' russa sobre Ucrânia, diz especialista». AFP. Estado de Minas. 21 de novembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  96. Ronn Blitzer e Gregg Re (3 de dezembro de 2019). «House Democrats vote to adopt Trump impeachment report, blast scheme to 'solicit foreign interference' in 2020 race». Fox News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  97. «Report of the House Permanent Select Committee on Intelligence, Pursuant to H. Res. 660 in Consultation with the House Committee on Oversight and Reform and the House Committee on Foreign Affairs» (PDF). U.S. House of Representatives Permanent Select Committee on Intelligence. 3 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  98. Bart Jansen e Christal Hayes (2 de dezembro de 2019). «House GOP report on impeachment inquiry defends Trump's dealings with Ukraine». USA Today. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  99. «READ: Republican Report On The Impeachment Inquiry». National Public Radio. 2 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  100. Jessica Taylor (2 de dezembro de 2019). «House GOP Rebuts Democrats' Impeachment Efforts: No 'Bribery, Extortion' Proven». National Public Radio. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  101. Alexis Simendinger e Al Weaver (6 de dezembro de 2019). «The Hill's Morning Report — Pelosi makes it official: Trump will be impeached». The Hill. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  102. Zachary B. Wolf (11 de dezembro de 2019). «What are articles of impeachment?». CNN. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  103. Dareh Gregorian (26 de novembro de 2019). «House Judiciary Committee announces first impeachment hearing, invites Trump to attend». NBC News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  104. Lauren Gambino (26 de novembro de 2019). «Trump invited to House judiciary committee's first impeachment hearing». The Guardian. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  105. «Trump will not participate in impeachment hearing, White House says». BBC. 2 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  106. Marisa Schultz e John Roberts (6 de dezembro de 2019). «White House won't participate in impeachment hearings, tells Nadler to 'end this inquiry now'». Fox News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  107. Seung Min Kim (6 de dezembro de 2019). «White House rejects House Democrats' invitation to participate in impeachment process as Trump focuses on friendly Senate». The Washington Post. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  108. Caitlin Oprysko e Darren Samuelsohn (2 de dezembro de 2019). «House Judiciary reveals witnesses for first impeachment hearing». Politico. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  109. Matt Taibbi (17 de outubro de 2006). «The Worst Congress Ever». Rolling Stone. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  110. «Dec. 12: Debate on Article IV». Federal News Service. The Washington Post. 12 de dezembro de 1998. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  111. Justine Coleman (4 de dezembro de 2019). «GOP witness to say Trump impeachment would set a 'dangerous precedent'». The Hill. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  112. Andrew Desiderio, Kyle Cheney e Heather Caygle (10 de dezembro de 2019). «'High crimes and misdemeanors': Dems unveil impeachment charges against Trump». Politico. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  113. Richard Cowan e Susan Cornwell (10 de dezembro de 2019). «Democratas revelam acusações e Trump torna-se o 4º presidente dos EUA e enfrentar impeachment». Reuters. Uol. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  114. «Read the articles of impeachment against Trump». Axios. 10 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  115. «READ: Articles of impeachment against President Trump». CNN. 10 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  116. a b Benjamin Siegel, Katherine Faulders e Allison Pecorin (13 de dezembro de 2019). «House Judiciary Committee passes articles of impeachment against President Trump». ABC News. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  117. «Democrats accuse Trump of criminal bribery, wire fraud in report that explains articles of impeachment». The Washington Post. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  118. «Rules Committee Announces Meeting to Consider Resolution Impeaching Donald John Trump, President of the United States, for High Crimes and Misdemeanors». House of Representatives Committee on Rules. 17 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  119. Jeremy Herb e Manu Raju (19 de dezembro de 2019). «House of Representatives impeaches President Donald Trump». CNN. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  120. «GOP lawmaker compares Trump impeachment to trial of Jesus». CNN. 18 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  121. John Fritze (18 de dezembro de 2019). «House impeaches Donald Trump in historic vote, reshuffling U.S. politics on eve of 2020». USA Today. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  122. «Trump impeachment: US president to face trial in Senate». BBC. 19 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  123. Jennifer Haberkorn, Sarah D. Wire, Chris Megerian e Molly O'Toole (18 de dezembro de 2019). «House impeaches President Trump». Los Angeles Times. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  124. Nicholas Fandos e Michael D. Shear (18 de dezembro de 2019). «Trump Impeached for Abuse of Power and Obstruction of Congress». The New York Times. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  125. «Final Vote Results for Roll Call 695». Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Dezembro de 2019. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  126. «Final Vote Results for Roll Call 696». Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Dezembro de 2019. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  127. «Donald Trump é o 3º presidente dos EUA a sofrer impeachment; veja outros casos». G1. 18 de dezembro de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  128. Zachary B. Wolf (24 de setembro de 2019). «Impeachment process: How will this work». CNN. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  129. «What is impeachment and how does it work?». BBC. 18 de julho de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  130. «Veja como funciona o processo de impeachment nos EUA». AFP. Exame. 24 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  131. Mark Galli (19 de dezembro de 2019). «Trump Should Be Removed from Office». Christianity Today. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  132. Zachary B. Wolf (24 de dezembro de 2019). «A technical argument is Trump's new line of attack». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  133. Morgan Chalfant (28 de dezembro de 2019). «Pelosi gets under Trump's skin on impeachment». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  134. Rachel Frazin (25 de dezembro de 2019). «Trump lashes out at Pelosi on Christmas, decries 'scam impeachment'». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  135. Zachary B. Wolf (23 de dezembro de 2019). «15 things you need to know about how Senate impeachment trials work». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  136. Ted Barrett e Ali Zaslav (18 de dezembro de 2019). «Mitch McConnell: 'I'm not an impartial juror' ahead of Senate impeachment trial». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  137. Veronica Stracqualursi (14 de dezembro de 2019). «I'm not trying to pretend to be a fair juror here': Graham predicts Trump impeachment will 'die quickly' in Senate». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  138. Jordain Carney (26 de dezembro de 2019). «GOP predicts bipartisan acquittal at Trump impeachment trial». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  139. Ted Barrett (17 de dezembro de 2019). «McConnell rejects Schumer's call for witnesses at impeachment trial». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  140. Mike Lillis e Oliveira Beavers (18 de dezembro de 2019). «Pelosi noncommittal on delivering impeachment articles to Senate». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  141. Ronn Blitzer (5 de janeiro de 2020). «Graham gives Pelosi ultimatum, proposes Senate rule change to remove her from impeachment process». Fox. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  142. Jordain Carney (9 de janeiro de 2020). «McConnell backs measure to change Senate rules, dismiss impeachment without articles». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  143. Heather Caygle e John Bresnahan (10 de janeiro de 2020). «Pelosi ends standoff with Senate Republicans over impeachment articles». Politico. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  144. Tom McCarthy, Lauren Gambino e Jessica Glenza (15 de janeiro de 2020). «Pelosi names trial managers to carry articles of impeachment to the Senate». The Guardian. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  145. «Câmara envia ao Senado acusações para impeachment de Trump». RFI. MSN. 15 de janeiro de 2020. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  146. Lisa Mascaro (9 de novembro de 2019). «How Mitch McConnell is managing impeachment and a fragmenting Republican response». Chicago Tribune. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  147. Jordain Carney (2 de janeiro de 2020). «GOP senator plans to seek dismissal of impeachment articles». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  148. a b Aaron Blake (13 de dezembro de 2019). «McConnell indicates he'll let Trump's lawyers dictate Trump's impeachment trial». The Washington Post. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  149. Jordain Carney (12 de dezembro de 2019). «McConnell says he'll be in 'total coordination' with White House on impeachment trial strategy». The Hill. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  150. Lauren Egan (13 de dezembro de 2019). «McConnell: 'There's no chance' Trump is removed from office». NBC News. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  151. Nina Totenberg (10 de janeiro de 2020). «At Impeachment Trial, Chief Justice Roberts May Have More Prestige Than Power». NPR. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  152. Clare Foran e Jeremy Herb (15 de janeiro de 2020). «List: House impeachment managers announced for Trump Senate trial». CNN. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  153. Franco Ordoñez e Tamara Keith (14 de janeiro de 2020). «Starr, Dershowitz, Ray: Trump Leans On High-Wattage Lawyers For Impeachment». NPR. Consultado em 7 de fevereiro de 2020 
  154. «Constitution of the United States». Senado dos Estados Unidos. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  155. «Trump impeachment: Democrats try to delay start to Senate trial». DW. 20 de dezembro de 2019. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  156. «RULES OF PROCEDURE AND PRACTICE IN THE SENATE WHEN SITTING ON IMPEACHMENT TRIALS» (PDF). U.S. Government Publishing Office. 16 de agosto de 1986. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  157. Helier Cheung (16 de janeiro de 2020). «Impeachment trial: Why did Pelosi use so many pens?». BBC. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  158. a b Lauren Fox, Manu Raju e Jeremy Herb (21 de janeiro de 2020). «Impeachment resolution shortens trial's opening arguments to two days per side». CNN. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  159. «Senate Rules for Impeachment». The Washington Post. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  160. Katherine Faulders, Trish Turner, Benjamin Siegel, Stephanie Ebbs, Quinn Owen e Marc Nathanson (22 de janeiro de 2020). «Trump impeachment: GOP-led Senate rejects amendments, approves rules of trial». ABC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  161. Michael D. Shear (22 de janeiro de 2020). «Senate adopts trial rules after bitter debate over evidence.». The New York Times. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  162. «Trump impeachment trial: What you might have missed». BBC. 4 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  163. «Impeachment trial continues as House managers finish their closing argument». WBAL-TV. 25 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  164. Andrew Duehren (23 de janeiro de 2020). «Democrats Say Abuse of Power Warrants President's Removal». The Wall Street Journal. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  165. Dareh Gregorian (22 de janeiro de 2020). «Senate Impeachment Trial: What happened at the Trump impeachment trial on Day 2». NBC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  166. Josh Feldman (22 de janeiro de 2020). «Jake Tapper Calls Out Jay Sekulow for 'Factually Not Accurate' Impeachment Claim: Spreading 'A Lot of Misinformation'». Media Ite. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  167. Dareh Gregorian (24 de janeiro de 2020). «Trump's Senate impeachment trial: What happened on Day Four». NBC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  168. Zachary B. Wolf (26 de janeiro de 2020). «Top takeaways from the start of the Trump team's impeachment defense». CNN. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  169. Alan M. Dershowitz (3 de fevereiro de 2020). «Democrats Are Lying About My Argument». The Wall Street Journal. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  170. Jeremy Herb, Phil Mattingly, Manu Raju e Lauren Fox (1 de fevereiro de 2020). «Senate impeachment trial: Wednesday acquittal vote scheduled after effort to have witnesses fails». CNN. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  171. John Haltiwanger e Sonam Sheth (31 de janeiro de 2020). «In an unprecedented move, the Senate voted against calling witnesses in Trump's impeachment trial». Business Insider. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  172. Rob Byers (4 de fevereiro de 2020). «Here's everything McConnell said on the Senate floor during the Trump impeachment trial». The Courier-Journal. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  173. «Republicano Mitt Romney vota por condenação de Trump no Senado». G1. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  174. «Impeachment». Senado dos Estados Unidos. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  175. Grace Panetta (21 de janeiro de 2020). «Here's how Trump could be impeached, removed from office, and still win re-election in 2020». Business Insider. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  176. Dareh Gregorian e Frank Thorp V (5 de fevereiro de 2020). «Senate acquits Trump on both impeachment charges». ABC News. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  177. Richard Cowan (5 de fevereiro de 2020). «Romney rompe com republicanos e vota por condenação de Trump em julgamento de impeachment». Reuters. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  178. «Por 'juramento perante Deus', Mitt Romney se torna 1° republicano a votar por impeachment de Trump». The New York Times. O Globo. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  179. «U.S. Senate: Roll Call Vote 116th Congress - 2nd Session (Vote Number 33 - Article I vote)». Senado dos Estados Unidos. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  180. «U.S. Senate: Roll Call Vote 116th Congress - 2nd Session (Vote Number 34 - Article II vote)». Senado dos Estados Unidos. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  181. «TRIAL OF DONALD J. TRUMP, PRESIDENT OF THE UNITED STATES» (PDF). Congresso dos Estados Unidos. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  182. Walt Hickey e Angela Wang (26 de setembro de 2019). «POLL: Americans support the impeachment inquiry into Trump, but they worry about electoral blowback». Business Insider. Consultado em 26 de setembro de 2019 
  183. Jeanine Santucci (26 de setembro de 2019). «New poll: Majority of Americans against impeachment and removal of Trump». USA Today. Consultado em 27 de setembro de 2019 
  184. Jamie Ballard (26 de setembro de 2019). «Most Americans support impeachment if Trump pressured Ukraine». YouGov. Consultado em 26 de setembro de 2019 
  185. Jennifer Agiesta (17 de dezembro de 2019). «CNN Poll: The nation remains divided on impeachment as House vote approaches». CNN. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  186. Justin McCarthy (18 de dezembro de 2019). «Trump Approval Inches Up, While Support for Impeachment Dips». Gallup. Consultado em 24 de dezembro de 2019 
  187. «99% of Republican white evangelical Protestants oppose impeaching and removing Trump, new poll finds». CBS News. 24 de outubro de 2019. Consultado em 24 de dezembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]